All posts tagged: Salazar

Manuel Goucha Salazar, para que saibas: o fascismo e o racismo não passarão

Não vi o programa, não vou ver. MM participou na execução de um negro – Alcindo Monteiro, (na foto, morto por causa da cor da sua pele, com 27 anos, em junho de 1995, espancado até à morte) – esteve detido por posse ilegal de armas, apela repetidamente ao ódio e ao racismo. De quando em vez, lá vem um órgão de comunicação social dar-lhe palco. Li uma vez uma entrevista sua e bastou-me. Bastou-me a suástica que enverga para imediatamente me reportar à célebre cena de American History X, em que um nazi (com uma estética bem parecida ao dito cujo) esmaga o crânio de um negro no lancil de um passeio. E vejam-na com atenção porque foi isto que se passou na TVI.

A cada momento há sempre alguém que tenta reabilitar a imagem deste nazi, que cria partidos atrás de partidos e de movimentos, organiza contramanifestações ilegais e se passeia como se não fosse um ser absolutamente desprezível que pratica actos que à luz da lei são ilegais. Como é ilegal dar cobertura à propagação de ideologias fascistas e nazis.

Querem ver como não estou a inventar?

Artigo 240.º – Discriminação e incitamento ao ódio e à violência

       1 – Quem:
              a) Fundar ou constituir organização ou desenvolver atividades de propaganda organizada que incitem à discriminação, ao ódio ou à violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, ascendência, religião, sexo, orientação sexual, identidade de género ou deficiência física ou psíquica, ou que a encorajem; ou
              b) …
              …
       2 – Quem, publicamente, por qualquer meio destinado a divulgação, nomeadamente através da apologia, negação ou banalização grosseira de crimes de genocídio, guerra ou contra a paz e a humanidade:

              a) Provocar atos de violência contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, ascendência, religião, sexo, orientação sexual, identidade de género ou deficiência física ou psíquica;
              b) Difamar ou injuriar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, ascendência, religião, sexo, orientação sexual, identidade de género ou deficiência física ou psíquica;
              c) Ameaçar pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, ascendência, religião, sexo, orientação sexual, identidade de género ou deficiência física ou psíquica; ou
              d) Incitar à violência ou ao ódio contra pessoa ou grupo de pessoas por causa da sua raça, cor, origem étnica ou nacional, ascendência, religião, sexo, orientação sexual, identidade de género ou deficiência física ou psíquica;
é punido com pena de prisão de 6 meses a 5 anos.»

Eu repito: “é punido com pena de prisão de 6 meses a 5 anos.”

Manuel Luis Goucha não foi de modas. Levou um nazi ao seu programa, visto por milhares de pessoas, lavou-lhe a alma e ainda fez isto:

Afirma que este nazi tem ideias polémicas – ideias que levaram à execução bárbara de Alcindo Monteiro – e faz uma sondagem sobre o regresso do fascismo que matou centenas de democratas, comunistas, que mandou para o exílio socialistas, comunistas e outros democratas, que torturou outras tantas centenas, que condenou o nosso país, durante décadas, à discriminação, pobreza e à escravização colonial.

Manuel Luis Goucha, também ele, cometeu um crime – publicamente, divulgou a apologia, negação ou banalização grosseira de crimes de genocídio, guerra ou contra a paz e a humanidade. Banalizou o racismo. Banalizou o fascismo. Relativizou a execução de um negro às mãos do nazi MM, banalizou as suas posições xenófobas e bárbaras.

A ERC já informou que estaria a investigar. E desengane-se quem acreditar que isto é um hino à liberdade de expressão. É criminoso. E não passará.

A liberdade é uma maluca

Confesso que gostava de ser tão cool e fresco que esta polémica com a Associação de Estudantes da FCSH e um grupo de fascistas me passasse ao lado. Que se resolvesse com um post no Facebook ou um tuíte a citar Voltaire – mesmo com uma frase que não é de Voltaire – e à sua defesa do direito de o outro poder manifestar a sua opinião, porque é assim em democracia. Há, no entanto, vários equívocos ao longo de todo este processo, que é só mais um na caminhada lenta mas que segue em passo certo para o branqueamento do que foi o salazarismo, à semelhança do que sucedeu no que respeita ao nazismo e ao fascismo.

Ontem à tarde, por exemplo, num Opinião Pública que a SIC Notícias dedicou ao tema, Teresa Dimas e a sua convidada, Raquel Abecassis, da Rádio Renascença*, tiveram uma alegre conversa sobre os perigos dos radicais de esquerda que haviam proibido uma conferência onde estaria o senhor doutor Jaime Nogueira Pinto, que era muito boa pessoa e até tinha estado na SIC a comentar a eleição de Trump. Sim, porque comentar qualquer coisa na SIC é sinónimo de democracia e seriedade. O descaramento de afrontar o senhor doutor Jaime Nogueira Pinto, de quem Raquel Abecassis é amiga, só porque discorda dele, mesmo sendo ele um salazarista. E queixam-se ainda de uma decisão tomada por 30 alunos, num universo de cinco ou seis mil, como se uma RGA não fosse aberta a quem quer participar. Se só participam 30, isso sim, devia ser preocupante para Raquel Abecassis e Teresa Dimas.

Claro que cancelamentos deste género não são inéditos. No passado mês de Dezembro, estava prevista para a Universidade da Beira Interior uma conferência sobre o Saara Ocidental, organizada por um núcleo de alunos. No entanto, o evento não se realizou devido a pressões da embaixada de Marrocos. Pedro Guedes, presidente da Faculdade, estava mais preocupado com o bom-nome da Faculdade e seria bem pior se o evento se realizasse. Quem não se lembra da enorme polémica que este tema levantou em torno da liberdade de expressão em Portugal e dos direitos políticos em Marrocos? Ninguém. Pois não. Porque não estávamos a falar de alguém com a dimensão de Jaime Nogueira Pinto, que pertence a uma casta dentro das elites académicas e não só, que passaram bem durante o salazarismo e não se dão nada mal em democracia.

Enquadrados que estão os motivos da onda mediática de indignação, vamos ao que se passou na FCSH. A associação neo-fascista Nova Portugalidade pediu à AE para organizar o debate. A AE solicitou autorização à Direção da Faculdade, que reservou um espaço. Quando alguns elementos da AE se apercebem que se trata da Nova Portugalidade, ligada à extrema-direita, é aprovada uma moção, em RGA, para o cancelamento do evento. Num primeiro momento, o director da instituição não acedeu e recusou-se a cancelar, tendo depois voltado atrás por supostos problemas de segurança. Já entre ontem e hoje, a ideia passou a ser o adiamento da iniciativa para algo mais plural.

Sobre a segurança e supostas ameaças, foram reveladas pelo jovem admirador de Salazar, pertencente à Nova Portugalidade. E assumidas como verdade, mesmo que ninguém saiba como nem porquê. Na verdade, o que sucedeu foi que o jovem salazarette estava com medo de alguma coisa e pediu para levar segurança privada. Mas, na verdade, para além da figura, mais ninguém soube de quaisquer ameaças, exceptuando as assumidas pela extrema-direita portuguesa numa publicação do Facebook, onde reconhece que foi fazer uma “visita” – aspas deles – à AEFCSH. Mas isso não dá para a imprensa e rende pouco como notícia.

Já a Associação 25 de Abril decidiu ceder um espaço para a Nova Portugalidade espalhar a ideologia fascista e ouvir Jaime Nogueira Pinto afirmar que Salazar nem foi assim tão mau. E diz muito mais sobre aquilo em que se tornou a A25A do que dos estudantes da FCSH.

Ninguém defende a liberdade de expressão sendo neutro. Atirando com o Voltaire e subindo ao pedestal de suposta da independência e imparcialidade, está a dar-se ainda mais palco do que aquele que já têm, todos os dias, neo-fascistas e salazaristas. Não há neutralidade na defesa da liberdade. Eu caminho ao lado dos alunos da FCSH, que desde o início denunciaram o evento. Mas cada um terá as suas referências.

Pequeno salazarette num momento de oração na campa de Salazar

O que só Edgar Silva tem


A grande notícia de ontem foi que Edgar Silva é o candidato à Presidência da República com o maior orçamento de campanha. Os jornalistas, como ainda não podem adjectivar a deixa com «escandaloso!», fazem-no com a melodia da voz, com a entoação e com as pausas no discurso, levado ao histriónico da náusea e do rancor.

E, apesar da dimensão da campanha, o «candidato apoiado pelo PCP» que, ao contrário de Marisa Matias, Marcelo Rebelo de Sousa ou Maria de Belém, é o único apresentado pela sigla partidária, permanece invisível aos holofotes mediáticos. Porque será? A resposta é que a candidatura de Edgar Silva tem algo que mais nenhuma tem. Algo que assusta muita gente.

1 – Uma vida de solidariedade verdadeira

Ao contrário de Marcelo Rebelo de Sousa que, já não podendo passar férias na bonita mansão de Ricardo Salgado, continua a cultivar com este uma bonita amizade, Edgar Silva é um homem que conheceu a pobreza na pele e o único candidato que se pode orgulhar de um percurso de vida ao lado dos mais fragilizados da sociedade. Enquanto a juventude de Marcelo Rebelo de Sousa, filho de ministro fascista e afilhado de ditador, foi passada no mais obsceno luxo, a escrever cartinhas a Salazar e ao outro Marcelo, Edgar Silva dedicou os seus melhores anos a salvar da mendicidade e da pedofilia as crianças da Madeira.

Já a vida política de ambos não é menos reveladora. Enquanto liderou o PSD, Marcelo distinguiu-se por duas coisas: a paixão por Cavaco, que ajudou a levar ao poder, e a defesa fanática dos cortes salariais, das isenções fiscais para banqueiros e grandes empresas e do roubo de direitos dos trabalhadores. Para o cargo de chefe do Estado, precisamos de alguém cujo percurso de vida se paute pelos mais elevados critérios de honradez e rectidão. Edgar Silva provou com a biografia que é um homem justo.

2 – Um compromisso com a Constituição

Edgar Silva é o único candidato a colocar a Constituição como eixo central do exercício dos poderes presidenciais. Independentemente de concordarmos ou não com o seu projecto, a verdade é que mais nenhum candidato ousa identificar-se na íntegra com o texto que o Presidente jura cumprir integralmente.

Só Edgar Silva tem a coragem de lembrar que a Constituição prevê, por exemplo, a dissolução dos blocos militares e a gratuitidade da saúde e da educação. Do mesmo modo, Edgar Silva é, à data desta publicação, o único candidato que assume frontalmente que as 40 horas na função pública atropelam a lei suprema da República.

3 – Uma candidatura coerente

Contra Edgar Silva podem-se tecer as corriqueiras acusações a que todos os comunistas estão habituados, mas ninguém disputa a coerência de Edgar Silva, exemplificada pela frontalidade com que criticou a patranha do BANIF. Como em todos os actos eleitorais, a coerência é um bem caro.

Já a montante, pulula a incoerência e a contradição: Maria de Belém, que não vê qualquer conflito de interesses entre ser consultora do BES Saúde e presidente da Comissão Parlamentar de Saúde; Marcelo Rebelo de Sousa, que não tem pejo em presidir simultaneamente a uma fundação monárquica e à República; Sampaio da Nóvoa, que, assumindo causas justas, mantém uma ambiguidade dilacerante sobre tudo o que venha de Bruxelas, refugiando-se na fraseologia para escapar aos ditames da União Europeia.

4 – Uma ligação profunda ao mundo do trabalho

Percorrendo as fábricas, as empresas e os locais de trabalho de Norte a Sul do país, Edgar Silva vem somando o apoio de milhares de trabalhadores e líderes sindicais. A determinação de Edgar Silva em querer conhecer a vida dos funcionários públicos, dos operadores de call center, dos operários, dos imigrantes, dos enfermeiros, dos trabalhadores das limpezas, dos investigadores, dos lojistas e de todos os trabalhadores demonstra bem o que é e ao que vem esta candidatura.

Inversamente, Marisa Matias prefere a companhia de: Rita Ferro Rodrigues, fervorosa apoiante da campanha da genocida e corrupta Hillary Clinton e empregadora de trabalho escravo; Fernanda Câncio, paladina anti-comunista que defende que os jornalistas do Avante! e do Esquerda.net deviam perder a carteira profissional, que assume sentir «asco» do PCP a que chama «partido zombie» sem lugar na sociedade portuguesa e que acha que os cartazes do PNR não fazem mal a ninguém (embora os murais da JCP sejam um caso de polícia)… entre muitas outras estrelas e famosos da televisão.

5 – Um projecto de esquerda, por Abril

Esta é uma campanha de intenções dissimuladas: Marcelo Rebelo de Sousa tenta fingir que não é o candidato do PSD/CDS-PP, da austeridade e de Cavaco; Sampaio da Nóvoa repete, incansável, que a sua candidatura não é de esquerda nem de direita; Maria de Belém finge não conhecer José Seguro.

A candidatura de Edgar Silva, sem olhar a votos, não esconde aquilo que é: um projecto de esquerda, profundamente ligado aos ideais de Abril. Sistematicamente acusado de «ter um programa de governo», o que Edgar Silva tem é uma visão para um país mais justo. Patente em nenhum lado como na sua Declaração, há um conjunto de valores, posições e princípios que não se escondem. Que não se vendem.