All posts tagged: EUA

O Homem na Jaula: racismo e capitalismo*


No Verão de 1906, o número de visitantes do Jardim Zoológico do Bronx triplicou. Segundo os registos oficiais do Zoo nova-iorquino, durante o mês de Setembro, eram mais de 40 mil os curiosos que, diariamente, pagavam bilhete para ver a jaula com os próprios olhos. Numa placa junto às grades, podia ler-se: «O Pigmeu Africano Ota Benga. Idade, 23 anos. Altura, 1,25m. Trazido do rio Kasai, Estado Livre do Congo, pelo Dr. Samuel P. Verner».

Quando a história de Ota Benga começa, a escravatura já tinha sido abolida nos EUA há 40 anos, mas o grande capital tinha herdeiros promissores. Foi William John McGee, presidente da prestigiada Associação Antropológica Americana, que solicitou à comunidade científica «a captura de africanos pigmeus» para exibição na Exposição Mundial de St. Louis de 1904. Os EUA eram então o epicentro mundial das teorias eugénicas sobre a «superioridade branca» que mais tarde inspirariam Hitler e a Expo de 1904 arrogava, orgulhosa, o «Império Americano» exibindo em jaulas dezenas de homens e mulheres de diferentes povos. Ota Benga era um deles.

Segundo o relato do autoproclamado «explorador e etnólogo» Paul Verner, o jovem Ota Benga fora «salvo de uma tribo de canibais e ficou muito feliz por se poder juntar a nós». Mais tarde, Verner admitiria que o adolescente fora comprado como escravo, por cinco dólares, ao Governo belga. O Rei Leopoldo II, genocida responsável por mais de 10 milhões de mortos e amigo pessoal de Verner, confessou-se «tão entusiasmado com a caçada» que quis participar pessoalmente. Mas não foi necessário caçar: o governo belga conduziu Verner ao mercado de escravos de Bassongo e, entre centenas de prisioneiros mutilados, uns sem mãos, outros sem orelhas, o «etnólogo» escolheu e comprou nove jovens da tribo mbuti, o mais novo com apenas 12 anos. Ota Benga é, dos nove, o único cujo destino nos é conhecido.

A manchete do St. Louis Pot-Dispatch de 26 de Junho era «Africanos Pigmeus na Expo» e, no interior, podia ler-se «Pigmeus requerem dieta de macaco». Preso dentro de uma jaula, Ota Benga era o centro das atenções do «mundo civilizado»: os homens picavam-no com bengalas para forçá-lo a mexer-se, as crianças gritavam-lhe e atiram-lhe pedras, as senhoras riam. Mais tarde, no Jardim Zoológico do Bronx, onde a tortura continuou, vários visitantes descrevem como Ota Benga, fechado numa cela com um orangotango, se tornara apático e indiferente às provocações das multidões.


Foi então que James Gordon, um religioso afro-americano, declarou guerra ao espectáculo degradante. «A nossa raça já está deprimida o suficiente sem que nos exibam junto de símios. Somos dignos de sermos considerados seres humanos», escreveu o reverendo numa carta ao New York Times. O editor do jornal respondeu que «os pigmeus são muito inferiores na escala humana» acrescentando que «a sugestão de que Benga devia estar numa escola em vez de numa jaula ignora a alta probabilidade de que uma escola seria para ele um lugar de tortura. A ideia de que todos os homens são iguais em tudo excepto nas oportunidades é uma ideia extremamente anacrónica».

Mas à pressão exercida pelos afro-americanos somou-se a resistência de Ota Benga, que tinha aprendido inglês sozinho e usava a nova língua para denunciar a sua situação aos visitantes do jardim zoológico. A gota de água chegou, em 1906, quando Benga, usando uma faca roubada, se defendeu de um grupo de agressores. Finalmente, no dia 28 de Setembro de 1906, Ota Benga foi libertado e acolhido num orfanato para negros, onde teve acesso à educação básica. Depois, trabalhou numa fábrica de tabaco em Lynchburg, na Virgínia. Segundo os que o conheceram pessoalmente, era um homem bom que gostava de andar descalço e tinha nas crianças os melhores companheiros e amigos. Ensinava os rapazes a caçar e contava-lhes histórias sobre a vida no Congo. As crianças costumavam observá-lo a acender uma fogueira para cantar na sua língua e dançar conforme a sua cultura. Estava, contava aos vizinhos, a planear a viagem de regresso para África. 

A I Guerra Mundial veio paralisar as viagens transatlânticas e travar os planos de Ota Benga. Dizem os relatos coevos que, lentamente, tornou-se taciturno e deixou de brincar com as crianças. Então, na noite de 20 de Março de 1916, há precisamente 100 anos, as crianças de Lynchburg viram-no acender uma fogueira cerimonial. Terá dançado e cantado toda a noite. Mas dessa vez, antes da manhã romper, suicidou-se com um tiro no coração. 

Uma só raça, a raça humana

Cem anos é muito tempo dirão alguns. O racismo não era «normal» há um século? Perguntarão outros. Será que a triste história de Ota Benga foi apenas um infeliz anacronismo histórico? Toda a História é anacrónica no sentido em que se move de contradição em contradição. Como Cronos, o deus do tempo que na mitologia grega devorava os seus próprios filhos, a História devora-se a si mesma alimentando-se, na eterna luta entre as classes, das classes e das contradições que ela própria gerou. O próprio conceito de «raça», que hoje em dia se insiste em usar, é anacrónico: há mais de meio século que a comunidade científica nos diz que este termo não faz sentido. A única raça humana é a humanidade.

Por outro lado, o racismo é ele mesmo tão anacrónico hoje como há trezentos anos. Muitas sociedades antigas conheciam a xenofobia e a escravatura, mas eram alheias ao conceito de raça e consideravam a cor dos olhos, da pele e do cabelo meras ocorrências geográficas. A escravatura, por exemplo, dependia da guerra ou da classe social mas não da cor da pele.

O racismo, como o conhecemos hoje, é uma construção ideológica do capitalismo, uma invenção para legitimar a hierarquia social. Com efeito, entre as primeiras demonstrações de racismo da História, o anti-semitismo coincide com a incubação do capitalismo a partir do século XIII. A escravatura foi indispensável ao desenvolvimento do capitalismo e do «mercado livre» e o racismo deu-lhe a base ideológica. Nas palavras de Malcolm X, «não há capitalismo sem racismo».


Marx escreveu que «o trabalho de pele branca nunca poderá ser livre enquanto o trabalho de pele negra for marcado como gado». O racismo continua a ser usado hoje em dia, como há cem anos, para dividir o proletariado por cores, legitimando a discriminação com falsos pretextos naturais e, por outro lado, justificando a negação das próprias promessas da burguesia: «liberdade, igualdade, fraternidade». A vida privada Thomas Jefferson, um dos «pais fundadores» dos EUA, reflecte este mecanismo: o autor da Declaração da Independência, famoso por afirmar que «todos os Homens nascem iguais», não via qualquer contradição em ser proprietário de 50 escravos, porque, afinal, se todos os homens nasciam iguais, os afro-americanos não eram humanos.

Na semana em que se assinala o Dia Internacional contra a Discriminação Racial devemos questionar-nos por que razão subsistem estes «anacronismos». É que, lembremo-nos, os captores de Ota Benga eram «civilizados», «democráticos», «desenvolvidos» e «cosmopolitas». E recordemos também que, «anacronicamente», poucos meses depois da morte de Benga, na Rússia Czarista, uma das regiões mais atrasadas do mundo, começava a construção mais avançada da humanidade. E o princípio do fim do racismo.


*Versão parcial de um artigo publicado no jornal «Avante!» n.º2208 de 24 de Março de 2016.

Black Friday: importação da loucura

Depois do ‘Halloween’ e dos ‘baby showers’ é chegada a vez da ‘Black Friday’: a última moda made in USA a ser bacoca e acriticamente importada para a coutada do Soares dos Santos a que alguns ainda chamam Portugal.

A Black Friday, que tem a sua origem no último quartel do séc. XIX, nas paradas de chegada da época natalícia que despediam o Dia de Acção de Graças, foi evoluindo de um simples dia de descontos para a efeméride alegórica do próprio capitalismo: nos EUA, centenas de milhares de pessoas passam a noite ao relento para, de madrugada, se atropelarem numa corrida aos bens que durante o remanescente do ano, lhes são inacessíveis. Os trabalhadores destas lojas, por outro lado, são forçados a trabalharem horários desumanos, por vezes superiores a 24 horas, amiúde sem qualquer compensação.

Poderão responder-me que «isso é nos EUA», mas não há qualquer razão para que o mesmo não aconteça em Portugal, ou já não nos lembramos das infames campanhas do Primeiro de Maio levadas a cabo pelo Pingo Doce?

Nunca como hoje, em toda a História, as sociedades humanas conheceram semelhante capacidade produtiva: somos capazes de produzir literalmente tudo em quantidade suficiente e velocidade suficiente para suprimir duas vezes todas as carências básicas da população mundial e, mais ainda, deparamo-nos com problemas contínuos de superprodução, em que fabricamos tantos bens supérfluos que o sistema capitalista não os consegue escoar no mercado. E, contudo, malgrado o inconcebível excesso de brinquedos, telemóveis, computadores, ténis, roupa e televisões nos armazéns, há pessoas que se agridem e matam para poder comprar primeiro um estúpido bem de consumo.

Há poucos anos, quando vivia em Nova Iorque, recordo-me de passar, a caminho de casa, pela Macy’s, uma destas enormes superfícies. Pouco passava das oito da noite. À porta, sob temperaturas glaciais, esperavam milhares de pessoas. A abertura era às cinco da manhã. Soube pelas notícias, no dia seguinte, que nessa noite morreu um trabalhador, literalmente atropelado pela manada de consumidores em fúria.

Poderão responder-me que «isso é nos EUA», mas não há qualquer razão para que o mesmo não aconteça em Portugal, ou já não nos lembramos das infames campanhas do Primeiro de Maio levadas a cabo pelo Pingo Doce? Não há nada de «americano» no que matou aquele trabalhador da Macy’s. A ansiedade, insegurança e loucura geradas pelo consumismo, doença infantil do capitalismo, não têm nacionalidade.

Até porque, na raiz da Black Friday estão fenómenos económicos e não culturais: à medida que o capitalismo opta, paulatinamente e ao sabor das crises, por dinamitar salários, meios de produção e postos de trabalho como forma de contrariar a queda tendencial das taxas de lucros, a produção, mesmo que deslocalizada, continua a crescer. Eis então o velho sistema capitalista a coxear nas maleitas de há duzentos anos: demasiados produtos para um mercado incapaz de o absorver. É neste contexto que surgem os mirabolantes descontos de 50 por cento: durante um dia, o capital vende por metade do dobro do preço os produtos de que precisa, mortalmente, de conseguir escoar para, no dia seguinte, respirar fundo mais uma vez. Desta forma, à medida que se agudiza a crise estrutural do capitalismo, maiores, mais frequentes e mais absurdos serão os «descontos» publicitados.

Não faltará quem queira desculpar a morte daquele trabalhador da Macy’s com a «natureza humana». Mas, curiosamente, nenhum dos sedentos consumidores agiu por instinto assassino; ninguém quis matá-lo; ninguém decidiu matá-lo. Foi a soma quantitativa de indivíduos que se transformou no trágico desfecho qualitativo: o materialismo dialéctico, aplicado à loucura.

Fascismo americano: as raízes de uma nação sob deus*

Ao avesso do tradicional ramerrão eleitoral da direita portuguesa que, de quatro em quatro anos, prega um discurso tacticamente moderado nos mais empedernidos candidatos conservadores, a antecipação do escrutínio presidencial estado-unidense dá azo a uma invulgar competição de reaccionarismo entre os dirigentes do Partido Republicano.

Ao passo que para o PS, PSD ou mesmo CDS-PP, um acesso de frontalidade equivaleria a cometer harakiri político, nos EUA, os homens que se perfilam para a nomeação republicana assumem as mais virulentas declarações de guerra ao progresso como um trunfo mediático.


Arca de Noé da Direita Americana




O senador do Texas, Ted Cruz, inaugurou a campanha às primárias republicanas com um desafio aos outros candidatos: «Todos vão dizer que “Eu sou o homem mais conservador que alguma vez viveu”, mas falar é fácil. Digam-me antes o que defenderam e pelo que lutaram», rematou.


Estava lançado o mote para uma bizarra corrida de pureza ideológica em que o pódio pertence aos titulares das melhores credenciais religiosas, aos currículos estaduais que abonarem a favor da destruição das funções sociais do Estado e aos paladinos do racismo, homofobia e da xenofobia: uma verdadeira arca de Noé.

Entre os 15 principais candidatos à nomeação, cinco, John Kasich, Ben Carson, Rick Perry, Rick Santorum e Mike Huckabee, garantem ter sido escolhidos por deus; Já Jeb Bush (irmão de George W.) prometeu «pôr um ponto final» no Medicare, o único programa de saúde pública que disponibiliza serviços mínimos à população mais carenciada; por seu turno, Ted Cruz não tem pejo em denunciar uma «guerra contra a masculinidade» e promete proibir o aborto, mesmo nos caso de violação ou perigo de vida para as mulheres; Não ficando atrás, Scott Walker, que promete encerrar o Departamento de Educação (equivalente ao ministério), perguntava-se, em jeito de campanha: «Se fui capaz de acabar com cem mil sindicalistas no Wisconsin, o que é que acham que sou capaz de fazer a nível internacional?». 

Malgrado o sestro, asinino e boçal, de que se fazem acompanhar estas declarações, o reaccionarismo republicano não é, de todo, uma reacção psicossomática, mas sim o bilhete de entrada na liça política. Prova disto é Donald Trump, a quem as sondagens elevaram ao primeiro lugar entre os republicanos depois de ter dito que os «mexicanos são violadores e criminosos», para prometer expulsar todos os imigrantes ilegais.

O fantasma de João Calvino

Na verdade, o reaccionarismo norte-americano insere-se numa longa tradição de «política de pretexto», em que o capitalismo cria um quadro cultural e psicológico favorável ao seu desenvolvimento, uma ideologia nacionalista que reclama obediência e ameaça com uma gradação moral maniqueísta e implacável. Neste processo, que não é contínuo, os antagonismos económicos são acompanhados, na vida social, pela desconexão entre o futuro e o progresso e entre a realidade e a moralidade.

Os ardentes fundamentalistas religiosos que, ao longo do século XVII, colonizaram o que viria a ser os Estados Unidos produziram, para consumo interno, uma narrativa moral que pretendia unificar a sociedade e justificar o status quo. De acordo com o calvinismo, a mais influente das seitas protestantes entre os «peregrinos» originais, o destino dos homens está, à partida, traçado por deus. Deste modo os homens e as mulheres já estão condenados, à nascença, ao paraíso ou ao inferno, pelo que nenhuma acção pode alterar o rumo pré-destinado, nem mesmo a exploração, o genocídio ou a crueldade: começa a nascer o pretexto para «uma nação escolhida por deus». Esta relação dialéctica entre a moralidade e a economia foi o alvo certeiro da obra de Max Webber, A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo, mas, ao contrário do que é insinuado pelo autor, não só não foi a ética que pariu o capitalismo, como a forragem espiritual do capitalismo foi, historicamente, um pretexto.

O mercado de Wall Street

A infra-estrutura económica do capitalismo norte-americano, assente sob o trabalho forçado de quatro milhões de escravos africanos, gerou, ao longo do séc. XIX, contradições que acabariam por conduzir à guerra civil de 1861-1865. Longe de ser uma batalha ética pela libertação dos escravos, nas origens do conflito estiveram discrepâncias económicas entre a indústria do Norte e o modo de produção esclavagista no Sul.

Sangrenta para os trabalhadores, a guerra civil criou importantes fracturas entre as classes dominantes que se mantêm até aos nossos dias. Não é curiosidade histórica que Wall Sreet, centro nevrálgico da banca, tenha começado por ser um mercado de escravos. Com efeito, durante a guerra, a alta finança do Norte nunca deixou de apoiar a Confederação, mas soube lucrar com o seu ocaso. JP Morgan Chase ou Lehman Brother foram, de resto, os principais investidores das plantações de escravos mas adaptaram-se com ligeireza à nova «liberdade». Não pôr todos os ovos no mesmo cesto é, como ser verificará mais tarde, o adágio eterno da facção mais radical do capital estado-unidense.

A inspiração de Hitler
Para suturar as profundas feridas da guerra civil e controlar a maré de progressos sociais e lutas de classe que floresceram espontaneamente durante a era da Reconstrução, a aristocracia do Sul e os capitalistas do Norte pactuaram um conceito de nação dogmático e moralista. A partir da última década do séc. XIX, «ser americano» começa a implicar a adesão a uma ideologia nacionalista, a subscrição de uma moral cristã e capitalista, o reconhecimento da natureza divina da nação, bem como a obediência cega às leis e aos símbolos nacionais. A nova narrativa moral sobre o nacionalismo foi o pretexto ideal para uma escalada de perseguição dos sindicatos que se formavam sob a influência do socialismo e que desembocou, em 1886, na revolta de Haymarket, cuja violenta repressão daria mais tarde origem ao 1.º de Maio, Dia Internacional do Trabalhador.
Surge assim, em 1892, a obrigação de repetir diariamente o juramento de bandeira em todas as escolas públicas. Originalmente, as crianças faziam a saudação romana enquanto repetiam: «Juro obediência à bandeira dos EUA e à república que ela representa, uma nação, sob deus, indivisível, com liberdade e justiça para todos». Depois, gritavam em uníssono: «Um país! Uma Língua! Uma Bandeira!».

É também durante esta época que, nos EUA, nascem os primeiros programas de eugenia do mundo, destinados a exterminar os indivíduos «geneticamente inferiores». Em resposta às ideias marxistas que chegavam da Europa, magnatas como Andrew Carnegie e John Rockefeller investiram milhões na promoção do pretexto de que a pobreza e o crime eram o corolário de «genes inferiores». Em 1907 os Estados de Washington, Connecticut, Califórnia, Virgínia, Nevada, Iowa, Nova Jersey, Nova Iorque e Indiana operavam programas para a esterilização forçada de pobres, nativos americanos, doentes mentais e presidiários. Foi nos EUA que a Alemanha nazi bebeu a inspiração para o seu próprio programa eugenia e, desde o primeiro Congresso Internacional de Eugenia, em 1911, cientistas alemães tornaram-se alunos assíduos dos centros americanos de esterilização em massa.

A primeira ameaça vermelha

A Revolução Bolchevique de 1917, porventura o acontecimento mais relevante da História humana, é interpretado pela burguesia norte-americana como uma ameaça indirecta ao ethos nacionalista do pós-guerra civil e ao próprio poderio da sua classe. A Revolução de Outubro mostrara que os trabalhadores podiam viver melhor gerindo, eles mesmos, a sociedade, sem necessidade de exploradores, racismo, deuses ou discriminação sexual.

Após uma tentativa frustrada de sufocar, via invasão militar, a jovem revolução, o capital estado-unidense lançou uma campanha doméstica de histeria anti-comunista para evitar que a fagulha de Petrogrado incendiasse as planícies americanas. Entre 1917 e 1920, milhares de sindicalistas, comunistas e anarquistas da International Workers of the World foram assassinados, deportados ou, simplesmente, desapareceram.

Também para os afro-americanos, a Revolução de Outubro foi uma janela de esperança. A escravatura fora substituída por um novo sistema de opressão racista, mais adequado às novas condições económicas e através do encarceramento massivo, da discriminação salarial e da segregação, os antigos escravos continuavam a ser brutalmente oprimidos. No entanto, como fez notar o presidente Woodrow Wilson, «negros americanos a regressar do estrangeiro seria o melhor meio para conduzir o bolchevismo para a América».

Para responder às organizações de classe operária que os negros formavam por todo o país, o capital respondeu com três instrumentos. Por um lado, foram levado a cabo dezenas de massacres que culminaram com o Verão Vermelho de 1919, que registou matanças de negros em 34 cidades. Por outro, acelerou-se o processo de gestação de um nacionalismo cada vez mais intolerante, moralista, dogmático e agressivo, que se impôs na educação pública, nos meios de comunicação social e através da propaganda. Finalmente, foi criada uma poderosa organização fascista de massas, o Ku Klux Klan.

O KKK, que em 1924 atingiu quatro milhões e meio de membros, representava a materialização do pretexto nacionalista. Sem surpresas, só uma organização fascista, altamente violenta e ao serviço das classes dominantes do Sul, poderia garantir a obediência a uma moralidade cada vez menos ética.

A violência exercida pelo KKK e quejandos sobre negros, sindicalistas e comunistas permitiu ao patronato manter baixos níveis salariais e reduzir para metade, em apenas cinco anos, ao longo dos anos 20, a percentagem de trabalhadores sindicalizados nos EUA.

A cultura do fascismo

Nos anos 30, apesar de um significativo passo atrás na economia com o New Deal de Franklin Roosevelt, o reaccionarismo norte-americano continua a ganhar expressão com o chamado «americanismo», a primeira tentativa de organizar a ideologia moral do nacionalismo americano.

O americanismo, promovido por homens como Henry Ford, defendia a preservação da cultura e valores americanos de influências estrangeiras e procurava equiparar o comunismo com o judaísmo. Ford, que se dedicava à publicação de literatura anti-semita desde os anos 20, é um exemplo claro da aproximação cultural da ideologia nacional americana ao fascismo.

Nos anos 30, receoso de sindicatos nas suas fábricas, Ford começou a conceder aos trabalhadores a possibilidade de trabalhar cinco dias por semana e oito horas por dia, desde que vivessem vidas «de acordo com a moral nacional» e com a religião.

O famoso Departamento de Sociologia de Ford levava a cabo buscas domiciliárias na casa dos operários para garantir que viviam «vidas regradas» de acordo com a moral do patrão. A Liga de Protecção Americana, que chegou aos 250 mil membros nos anos 30, garantia a vigilância e delação dos costumes dos trabalhadores, expondo não só os «imorais» como os «traidores» e, claro, os «comunistas».

Nazis e americanos, uma história de amor

Ao longo dos anos 30, as pontes económicas e culturais entre a Alemanha Nazi e os Estados Unidos da América não pararam de se desenvolver, ao ritmo dos negócios de empresas como a General Motors, a IBM ou a Coca-Cola. Na verdade, o fascismo tornou-se extremamente popular na América da década de 30: em 1934, o Departamento de Estado classificava a vitória do Partido Fascista, por 99,8%, no «referendo» de 1934 como uma «demonstração da popularidade incontestável do fascismo» e, em 1937, elogiava o mesmo regime por ter «substituído o caos pela ordem, a anarquia pela disciplina e a bancarrota pela solvência».

O embaixador dos EUA na Alemanha Nazi, William Dodd, escrevia, em 1937, que «uma clique de industriais dos EUA está determinada em substituir a nossa democracia por um Estado fascista. No meu posto em Berlim pude verificar como algumas das famílias que mandam no nosso país são próximas do regime nazi. […] Certos industriais americanos tiveram muito a ver com a chegada dos regimes fascistas ao poder na Alemanha e em Itália. Ajudaram o fascismo a chegar ao poder e agora estão a ajudá-lo a manter-se lá».


As famílias de que Dodd falava eram, nem mais nem menos que os Hearst, os Kennedy, os Lindbergh, os Rockefeller, os DuPont e os Bush. Entre as empresas, distinguem-se nomes como a Coca-Cola, a General Electric e a Exxon, entre muitas outras. Como prova o crescimento em quase 50% dos investimentos norte-americanos na Alemanha até ao começo II Guerra Mundial, ao contrário do desinvestimento verificado no resto da Europa, o capital estado-unidense repetiu a receita da guerra civil: financiar os amigos sem se comprometer politicamente. Mesmo durante a guerra, as relações comerciais e financeiras mantiveram-se clandestinamente, em alguns casos com requintes de malvadez, como é o caso da IBM de Thomas Watson, pessoalmente galardoado por Hitler por ter produzido e emprestado à Alemanha máquinas, feitas à medida, para contar e seriar as vítimas do holocausto. O patrão da IBM que expressou «a mais alta estima por Hitler, o seu país e o seu povo», esperava que as máquinas fossem devolvidas «quando os alemães acabassem».

A casa de Hitler nas montanhas



No entanto, para a construção do reaccionarismo americano, o fundamental foi a acção da Hearst Publications, o maior grupo de imprensa do mundo. Se, hoje em dia, o grupo Hearst detém 300 revistas, 50 jornais e 31 canais de televisão, nos anos 30 era ainda mais poderoso, controlando dois terços de todo o mercado editorial dos EUA. O seu dono, William Hearst, um reconhecido nazi, não foi só o fundador do conceito de imprensa sensacionalista, como foi também o inventor de alguns dos mitos anti-comunistas mais antigos.

Em 1937 a Revista Fortune, propriedade de Hearst, escrevia: «O bom jornalista deve reconhecer no fascismo as boas virtudes da raça. Entre elas, a disciplina, o dever, a coragem, a glória, o sacrifício».

Já na Reader’s Digest, também de Hearst, lia-se: «A forma como Hitler conquistou os corações dos alemães é tão completa que mesmo que os camisas castanhas desaparecessem continuaria a ser o homem mais poderoso da Alemanha: Hitler é reconhecido por toda a intelligentsia política como um homem extraordinário, um profeta. […] Não encontrei um único alemão que sonhasse com a possibilidade de uma guerra. A verdade é que a mente dos nazis está concentrada em problemas internos e não vai querer ser incomodada com assuntos estrangeiros durante muito tempo».

Entretanto, em 1938, a Better Homes and Gardens, do mesmo dono, dava ao prelo: «Hitler é um homem de bom gosto e a sua casa na montanha mostra como é simpático, humilde e acessível».

A História provou que o III Reich financiava directamente a máquina de propaganda de Hearst, mas nem todas mentiras nazis morreram com Hitler. Uma delas, criada pelo Ministério Alemão da Propaganda em 1934 vive até aos nossos dias: o «holodomor», a ideia que os bolcheviques empurraram deliberadamente a Ucrânia para a fome. Foram os tablóides de Hearst, a pedido dos nazis e com fontes nazis que criaram esse mito.

A segunda ameaça vermelha

A declaração de guerra aos nazis foi um processo complexo e extremamente contraditório. Tal e qual como na guerra civil, a entrada dos EUA na II Guerra Mundial resultou da pugna pelo poder político entre diferentes sectores do grande capital monopolista. Como sintetizou o Secretário de Guerra, Henry Stimson, «se vais entrar numa guerra ou preparar-te para uma guerra num país capitalista, tens de deixar que as empresas façam dinheiro com a guerra ou não vai funcionar». Nesta esteira, é sintomático que todas as empresas atrás referidas tenham sido indemnizadas pelos EUA por todos os estragos provocados às suas propriedades na Alemanha, incluindo em bases militares nazis. Merece ainda destaque a contratação, em massa, de cientistas e oficiais nazis pelos EUA, após a guerra para liderar missões científicas ou como «caçadores de comunistas» dispersos pelo mundo.

Anti-comunismo sem comunistas

Terminada a Guerra, começa a maior caça às bruxas de todos os tempos nos EUA: a segunda ameaça vermelha. Entre 1947 e 1957, o chamado Macartismo, em referência ao senador Joseph McCarthy, embutiu na cultura da direita americana os últimos elementos anti-comunistas, ultra-conservadores, racistas e radicalmente nacionalistas.

O violento anti-comunismo dos anos 50 é singular porque dispensa a existência de uma verdadeira ameaça comunista, ideologia que, nessa década, representava, nos EUA, uma minoria com pouca influência política. Sobressai, mais uma vez, a ideologia americanista como um pretexto para alavancar objectivos económicos de classe.

Da mesma forma que, na década de 50, bastava aos afro-americanos o fantasma do comunismo para precipitar os direitos civis, também aos capitalistas bastava esse espectro para desencadear a repressão. Com efeito, a segunda vaga anti-comunista, não teve como principal alvo dirigentes comunistas, sindicalistas, operários e camponeses, mas principalmente os agentes culturais, os intelectuais, os estudantes e os artistas.

América Anti-intelectual

O McCartismo marcou de forma indelével o significado de «ser americano» porque intrelaçou de forma inexpugnável as ideias de comunismo, traição e intelectualidade. Se, até 1920, o comunista era um imigrante europeu, barbudo e selvagem, agora, nos anos 50, o comunista era representado na propaganda como um professor culto e sofisticado que, através de perigosos argumentos, consegue lavar o cérebro de americanos leais à nação.

O resultado da política de perseguição de académicos, escritores e intelectuais que, mesmo sem serem comunistas, questionavam e ousavam pensar instituiu uma alergia geracional à cultura que se mantém nos nossos dias, a par de um anti-intelectualismo que perdura na política como atestado de patriotismo.


Actividades anti-americanas

O Comité das Actividades Anti-Americanas, HUAC nas siglas em inglês, cuja vida de terror se prolongou entre os anos 30 e os anos 70, foi a pedra-de-toque na instalação de um ambiente de permanente ansiedade anti-comunista: a acusação de 324 trabalhadores do espectáculo, adicionados à infame Lista Negra, e a condenação de dez profissionais do cinema foram o suficiente para obrigar Hollywood inteira a entrar numa competição indigna para mostrar quem era mais anti-comunista, mais conservador, mais nacionalista, ou, numa palavra, mais americano.

Durante os anos cinquenta, o nacionalismo americano tornou-se também sinónimo de militarismo, sexismo, homofobia e apoio incondicional ao conceito de «tropas».

O sonho americano

O actual reaccionarismo da direita estado-unidense é o produto cultural de dois séculos de desenvolvimento de capitalismo. Ao contrário da maioria dos Estados capitalistas desenvolvidos, os EUA nunca abandonaram uma noção de nação que incorpora elementos fascistas. Na verdade, ao longo destes 200 anos, a definição da ideologia americana, ou americanista, foi crescendo, até se transformar, hoje em dia, numa fina película super-estrutural muito semelhante ao fascismo, que filtra a percepção da realidade vivida por milhões de estado-unidenses.

Mais do que mero ersatz da histeria anti-comunista dos anos cinquenta, o nacionalismo estado-unidense mantém-se como um instrumento de luta de classes ao serviço do grande capital e um elemento unificador nacional que se estende da extrema-direita do Partido Republicano ao centro do Partido Democrata.

Na actualidade, a ideologia americanista é um pretexto para justificar o belicismo, a tortura, a espionagem e a repressão policial. Por outro lado, permite manter a opressão económica e social dos afro-americanos, fechar alternativas políticas ao capitalismo bicéfalo e, ao mesmo tempo, convencer os trabalhadores de que no «sonho americano», ao contrário de todos os outros países, é possível enriquecer trabalhando arduamente. Nesta perspectiva individualista, os trabalhadores que não enriquecem devem-se culpar unicamente a si próprios, aos seus genes, à sua inteligência, à sua falta de fé, ou à sua força de vontade, mas nunca ao seu patrão.

*Versão parcial de um texto originalmente publicado no Caderno Vermelho n.º23 – Revista do Sector Intelectual de Lisboa do PCP

Fuzilados pela madrugada, a pena de morte nos EUA*

Num pedaço de papel amarrotado, Joe Hill escreve à pressa o último poema «O meu testamento é fácil de decidir / porque não há nada a dividir. / O meu povo não precisa de choro nem lamento / que o musgo não cresce numa pedra em movimento». Os primeiros raios de uma luz implacável já iluminam a cela quando vieram buscar o sindicalista. Aos guardas prisionais do Utah cabe encenar o tétrico protocolo: «Joe Hill, operário, 36 anos, conhecido revolucionista e agitador», lê o polícia, «o Estado do Utah condena-o a morrer por fuzilamento. Deseja pedir uma última refeição?». Haverá mais burilado requinte de crueldade que convidar alguém a escolher a última refeição?

«Preparados!». De pé, mãos e pés atados, pano negro sobre a cara, Joe Hill respira pela última vez o ar glacial da manhã de 1915. «Apontar!». Cinco espingardas fazem mira a um papel branco, colado ao peito de um homem inocente. Uma das armas está carregada com uma bala de borracha; as outras quatro, com balas de chumbo. Assim, nenhum dos guardas saberá se terá sido ele a matar, quando apertar o gatilho com essa mesma intenção. «Disparar!». O estrondo assusta os pássaros que esvoaçam contra o sol e um fio de sangue rubro abre arroios na poeira como mercúrio derramado.

Cem anos volvidos, o Estado do Utah reintroduz o pelotão de fuzilamento. E não se trata de um caso isolado: este ano também o Wyoming aprovou o mesmo método de execução e, em Março, a cadeira eléctrica regressou ao Alabama. Mais recentemente, em Abril, o membro da Câmara dos Representantes do Oklahoma, Mike Christian, congratulou-se com a aprovação da câmara de gás: «Não quero saber se é injecção letal, cadeira eléctrica, fuzilamento, enforcamento, guilhotina ou atirá-los aos leões», explicou aos jornalistas. É a própria civilização humana que parece recuar nos EUA: de costa a costa, floresce o racismo colonialista, a exploração esclavagista e a mentalidade feudal, numa tendência também escoltada pelos métodos de pena capital. Actualmente, a pena de morte nos EUA faz-se por injecção letal, enforcamento, cadeira eléctrica, fuzilamento e câmara de gás.

Pena de morte em tempos de austeridade
No entanto, há uma explicação prática para o regresso à barbárie. Com a maior população prisional do mundo e os corredores da morte cheios, os 32 Estados que mantêm a pena capital não têm conseguido abastecer-se dos químicos usados na composição da injecção usual. O Texas, por exemplo, que ostenta uma média de duas execuções por mês, só tem mais duas doses até ao fim do ano. Confrontados com a falta de cooperação da indústria farmacêutica europeia e com o custo de produção da droga, estes Estados voltam-se para métodos antigos e também para outros novos.

A chamada «três-drogas», uma mistura de venenos baratos, é hoje em dia o principal e o mais cruel de todos os métodos de pena de morte nos EUA. Pode demorar horas a matar a vítima e provoca espasmos, contorções musculares e dores intensas. Michael Lee Wilson, executado em Janeiro, descreveu a sensação como tendo «todo o corpo em chamas».

Apesar de alguns progressos, como a abolição da pena de morte por seis Estados nos últimos oito anos ou a proibição federal, em 2005, de executar menores de 16 anos, o único balanço possível é que a sociedade dos EUA está doente. A sua ideologia é a expansão e a morte, a mesma ideologia da célula cancerígena e a sentença que há-de perseguir a humanidade inteira até se curar a enfermidade que a aflige, o capitalismo.

*Originalmente publicado no Jornal da Voz do Operário