Petição Pública em solidariedade com Pablo Hasél e pela sua libertação imediata!

Aqui mesmo ao lado, Pablo Hasél foi preso por criticar o regime nas redes sociais e pelas letras das suas canções. Um regime que, além dos mais de 200 que já encarcerou pelas suas ideias, como já aqui foi descrito em publicações anteriores, continua a perseguir e agir violentamente quem o critica. É mesmo aqui ao lado. E qualquer dia não resta ninguém. Por cá, a solidariedade cresce e mais de 200 artistas subscreveram um manifesto exigindo a sua libertação imediata, que já conta com mais de 3600 assinaturas. Não podemos ficar indiferentes. Não podemos ignorar. E tu, de que lado estás?

Página da Plataforma Liberdade Pablo Hasél – Portugal
Página da Petição Pública 

Assina, partilha, divulgava.

Eu acuso

Foi após ter visto J’accuse, de Roman Polanski, com Jean Dujardin e Louis Garrel sobre o infame caso Dreyfus, que, inevitavelmente fui reler a carta de Émile Zola.

E a cada palavra, senti a injustiça a correr-me nas veias. Tal como em 1894, o sistema judicial e o sistema político continuam a cruzar-se, a determinar opções e decisões, violando princípios basilares dos direitos dos cidadãos, e, nalguns casos, como este de que vos falo, as suas vidas.

Não foi uma especial vocação que me trouxe a este caminho, mas o meu percurso de vida, as pessoas com quem me cruzei, os valores que defendo. Mas aqui estou, num caminho sem regresso.

Ler mais

Quando o Cavaco morrer, uma história de amor

Não estamos aqui para discutir se há amor à primeira vista, mas poesia à primeira vista certamente haverá, tanto que ele, que não acreditava nas belas-letras, e muito menos na poesia, deu por si, ao primeiro relance, a ponderar dizer-lhe que se imaginava a fazer com ela uma longíssima e perigosa viagem e que quando ela já não aguentasse mais, podia contar com ele, não para salvá-la, mas simplesmente para que ela soubesse, de ciência certa, que podia contar com ele. Felizmente, não disse nada disto. É fácil, claro, fazer poesia para uma mulher bonita, mas esta é a última coisa fácil nesta história.

Ele disse-lhe que gostava de punk e ela achou que isso era muito século XX. Ela escrevia tudo em post-its e ele nem sequer tinha uma agenda. Ela disse-lhe que era muito ansiosa, ele calmamente respondeu «ok» e ela disse que não gostava de pessoas que respondiam «ok». Apesar disso, ela gostava de andar descalça e ele andava sempre de botas. Ela disse-lhe que ele fazia demasiadas perguntas e ele achou que ela tinha respostas para tudo. Ela disse-lhe que era comunista e ele, que dizia sempre que não acreditava ideologias, muito menos em utopias, de repente imaginou-se com ela.

Ler mais

Liberdade para Pablo Hasél

O rapper comunista Pablo Hasél decidiu não se entregar à polícia espanhola. Foi condenado a 9 meses de prisão por publicações nas redes sociais e pelas letras das suas canções. Porque nenhum cárcere poderá calar a voz de quem canta as injustiças, as nossas paredes são gargantas que disparam verdades.
Liberdade para Pablo Hasél!

#PabloHaselLibertad
#LibertadPabloHasel
#SolidaridadPabloHasel

Liberdade para Pablo Hasél

Hoje é o dia que o regime espanhol pôs como data para que Pablo Hasél entre na prisão de forma voluntária. O rapper catalão já anunciou que não se vai entregar mas também que não vai escolher o caminho do exílio. O regime espanhol é o Estado europeu com mais presos políticos e o que mais partidos ilegalizou desde o fim da ditadura franquista. Há dezenas de pessoas exiladas actualmente. Sobretudo exilados bascos e catalães.

É também o único Estado que manteve na prisão, durante sete anos, Jabier Salutregi, então o único director e jornalista preso na União Europeia. O único Estado que meteu um ex-secretário-geral sindical, Rafa Díez (LAB), no cárcere durante seis anos e meio e que deteve o actual secretário-geral do sindicato andaluz SAT. O único Estado da União Europeia que prende pessoas pelo que escrevem nas redes sociais ou pelo que cantam.

Ler mais