Do Ribeiro ambiental ao esgoto a céu aberto

Desde o início da invasão russa da Ucrânia, vieram a público alguns especialistas instantâneos em diversas áreas: relações internacionais, geopolítica, geoestratégia, história, resolução de conflitos, estratégia militar, entre outros. E não estou a falar dos comentadores residentes nos diversos media, os tudólogos, que tanto têm opinião e sabedoria para disseminar sobre política internacional ou o melhor esquema tático do Benfica, a morte da rainha de Inglaterra ou a localização do novo aeroporto de Lisboa. Esta sabedoria, de quem veio ao mundo para nos iluminar, aos comuns mortais, é sancionada pelos jornalistas que os acompanham, sem que exerçam o seu dever de contraditório que, de tempos a tempos e dependendo dos convidados, exercem com veemência.

Ler mais

Tornar-se imortal e, depois, morrer: homenagem a Godard

No filme À bout de souffle, Jean Seberg, na pele de uma jornalista, pergunta ao escritor famoso encarnado por Jean-Pierre Melville qual é a sua maior ambição na vida. Este tira os óculos escuros e a sua resposta é já proverbial: devenir immortel, et puis, mourir. Tornar-se imortal e, depois, morrer. Na eventualidade de Jean-Luc Godard ter ambicionado o mesmo, é seguro dizer agora que se alguém o conseguiu, em 91 anos de vida e 63 de cinema, foi o próprio, teimoso como a obra que deixa, bela como um decreto de expropriação

Ler mais

Em memória de Wiriyamu

Na passada sexta-feira o primeiro-ministro, de visita a Moçambique, fez um pedido de desculpas pelo Massacre de Wiriyamu. Foi o quebrar da nossa versão do “Pacto del Olvido”, e afronta uma série de gente. Durante décadas o Massacre de Wiriyamu (entre outros) foi olimpicamente ignorado. Mas aconteceu.

Ler mais

Assim se faz um pobre

Com cara fechada sobre uma solenidade que denuncia o compromisso umbilical e político com os senhores da alta finança, lançou assim António Costa, nossa nova Dona Abastança, o anúncio de várias medidas paliativas que passam certidão de óbito a qualquer laivo de socialismo desta maioria parlamentar.

Numa altura em que se percebe que a inflação e a carestia de vida só paulatinamente voltarão a valores considerados dentro da normalidade, cenário confirmado por Mário Centeno, governador do Banco de Portugal e ex-ministro das finanças de António Costa, as medidas anunciadas pelo governo, de carácter extraordinário e temporário, não configuram um conjunto de soluções e respostas ao que enfrentam o povo e os trabalhadores portugueses. De facto, o anúncio resulta, em larga medida e em boa análise, num financiamento dos lucros do grande capital e dos sectores estratégicos, nomeadamente os energéticos e agro-alimentares, através do erário público, subsidiando de forma extraordinária o poder de compra dos trabalhadores, mantendo intocável a posição de privilégio económico e fiscal destes grupos.

Ler mais

Trocou a pátria dos trabalhadores por 31 anos de pizza

“Trouxe a democracia”, dizem uns. Ora, depois do Gorbatchov a Rússia teve três presidentes: o Yeltsin, o Putin e o Medvedev. Quando dizem que o Gorbatchov trouxe a democracia, que democracia é essa? Do bêbado responsável pelo desmantelamento da URSS, do gajo que vocês actualmente comparam ao Hitler e ao Stalin AO MESMO TEMPO, ou do Medvedev, que vocês dizem que era só um fantoche do Putin? Quem afirma que o Gorbatchov trouxe a democracia tem pela frente a tarefa hercúlea e ingrata de provar que a Rússia pós-soviética é mais democrática do que a URSS.

Ler mais

Como o Qatar deu gás ao Mundial

As notícias mais recentes apontam para cerca de 6.500 trabalhadores mortos na construção de estádios no Qatar, neste ano. Apesar de ter anunciado pela FIFA como vencedor da organização do torneio a 10 de dezembro de 2010, só muito recentemente – demasiado – se começou a olhar para este atentado. Mas reza a lenda que não há almoços grátis. E gás também não. Quando se fala do possível racionamento do fornecimento de gás a alguns países da União Europeia, vale a pena lembrar que há uma história por trás do Nordstream II, que deveria aumentar o fornecimento oriundo da Rússia à Alemanha, complementando o Nordstream I, e que envolve os dois países e os EUA. Os outros Estados envolvidos serão aquilo a que a ideologia dominante optou por considerar danos colaterais.

Ler mais

Palestina vencerá!

Pela sombra do eclodir de vários cenários de conflito e tensão da geopolítica mundial, Israel prossegue o genocídio do povo palestino perante uma assombrosa indiferença da comunidade internacional. Os últimos dias foram marcados pelo recorrente bombardeamento de Gaza por parte da força aérea israelita, que provocaram dezenas de mortos, crianças incluídas, e muitos mais feridos. Aos olhos da nova ordem mundial, fascista e fascizante, que se esquece que para existir uma ordem mundial é condição inerente que haja também um planeta, bombas que caiam em solo europeu são más e cruéis, as que caiam longe do seu conceito racial e ideológico, são democracia e progresso.

Ler mais