Autor: Ricardo M Santos

O novo anormal

Ao contrário do que nos têm enfiado pelos olhos dentro nos últimos meses, não há nada de normal nos tempos que estamos a viver. Isso não é de agora, é certo, mas a normalização de todas as medidas e mais algumas a pretexto da pandemia, por mais despropositadas que possam ser, são um risco que vem acentuar uma tendência securitária que vem fazendo o seu caminho, mais ou menos tranquilamente, desde os atentados de 11 de Setembro de 2001. Esta nova normalidade de distanciamento físico, que agrava o distanciamento social, de constrangimentos à livre organização e reunião, não pode ser vista apenas à luz da pandemia. Há mais aqui com o que nos preocuparmos.

Ler mais

A gripe de São José

No passado sábado, no diário da Sonae, Público, São José Almeida, redatora-principal, decidiu gastar 4.072 carateres com o PCP, algo que costuma fazer apenas na altura dos Congresso do Partido, quando, talvez mais por vergonha do que por decência, o jornal se vê obrigado a fazer uma abertura de página com o evento. São José Almeida saca da pena e dispara em todas as direções: Critica o decreto que permitiu as celebrações do 1.º de Maio; omite o motivo que levou os festivais a não se realizarem; mente ao dizer que o PCP afirmou que estariam 100.000 pessoas por dia na Festa; está preocupada com os custos eleitorais do PCP e assume uma questão que é lapidar: se houver um aumento de casos, a opinião pública atribuirá essa responsabilidade ao PCP. E isso, para São José, é um dado adquirido mesmo que não seja verdade, e não lhe passa pela cabeça, enquanto jornalista, desmontar essa perceção pública. Vamos passar à frente as considerações que faz sobre Álvaro Cunhal, porque o legado do antigo Secretário-Geral do PCP o dispensa.

Ler mais

Ele está no meio de nós

Quando Gabriel Garcia Marquez decidiu sentenciar o destino de Santiago Nasar, logo na primeira frase da Crónica de Uma Morte Anunciada, em 1981, estaria longe de pensar que aquele relato jornalístico da sorte que os irmãos Pedro e Pablo destinaram ao defunto é um espelho dos dias que vivemos. Naquela vila, de uma forma ou de outra, todos sabiam que Santiago Nasar estava já morto antes de o estar fisicamente, mas ninguém foi capaz de impedir as facadas que o levaram para o reino dos céus, mesmo tendo os irmãos de Angela feito tudo para que alguém os travasse, anunciando o seu propósito. Ninguém os levou muito a sério.

Ler mais

Não há neutralidade no espaço público

Desde há séculos que a luta pelo controlo do espaço público é, também, um aspeto da luta de classes. O controlo do espaço é, mesmo entre os animais, essencial para a sua sobrevivência. Uma parte substancial dos animais é territorial, controla uma determinada área onde impõe a sua lei, ainda que possam várias espécies diferentes de animais controlar o mesmo espaço, por exemplo, desde que os interesses de uns não colidam com o interesse de outros. De outro modo, teremos uma luta pelo controlo desse território. No caso dos seres humanos, a luta de classes é inevitável, real, uma vez que há entre elas interesses antagónicos e inconciliáveis.

Ler mais

A Bola perdeu o Norte

A insatisfação e indignação que grassa na redação do Porto do jornal A Bola, por um processo enviesado no prisma geográfico, sem qualquer outra justificação que não fosse encerrar a redação a norte, mesmo quando a esmagadora maioria dos clubes da I e II Liga estão a norte do Mondego. Este documento expõe o tratamento desigual recebido pela redação do Porto por parte da administração do jornal A BOLA, no lay-off decretado na segunda-feira, dia 6 de abril. Ler mais

O oásis

Pouco antes da chegada de Ventura ao Parlamento, não faltaram artigos, uns de opinião e outros de fundo, a falar de Portugal como um oásis no que respeita aos populismos representados nos parlamentos dos diversos países. Talvez tivesse sido interessante observar os períodos eleitorais de cada país e o como isso afetava a amostra. Obviamente, nem Portugal é um oásis, nem neofascistas são populistas, por um motivo simples: se fala como um fascista, se age como um fascista, se faz propostas fascistas, então, é um fascista. Começam aqui os equívocos. Ler mais

Nos teus sapatos

Olha, eu fazia assim e assado, cozido e frito. Se fosse comigo? Havias de ver. Então a gaja mija pelas pernas abaixo só porque o patrão não deixa ir ao quarto-de-banho? Eu ia e ainda espetava dois bananos no patrão ou no capataz ou no encarregado. Havia de ser comigo, nem que tivesse de pedir esmola na rua. E estes gajos a pedir na rua? Gajos novos, com bom corpo, é mas é pô-los a limpar matas, que não falta trabalho. Querem viver de subsídios e nós a pagar, bando de malandros. Conheço um que não quis ir trabalhar porque ganha mais de subsídio. Ia ganhar o salário mínimo, não chega, diz ele. Diz que não tem transportes. Sabe é muito, claro. Também eu queria andar ao alto. Ir às feiras, comprar coisas à ciganada. Esses são outros, com grandes carros e casas e a gente a pagar. Viste o BMW novo do patrão? Que máquina, pá, aquilo até voa. Ler mais

Quem poligrafar o Polígrafo, bom poligrafadigador será

O Polígrafo continua, como sempre tem feito até aqui, a efetuar uma verificação de factos que, a meu ver, deixa muito a desejar quando comparada com outros sites internacionais com o mesmo objetivo. Primeiro, porque, não raras vezes, aposta no “clickbait”, ou seja, faz uma pergunta no título sem dar a resposta, mesmo sabendo que a maioria das pessoas não vai clicar e ler a notícia, mas antes responder-lhe de acordo com a sua convicção. Isso traria menos cliques ao Polígrafo, é certo, mas serviria o propósito que diz ter. E quando é o Polígrafo, ou o seu diretor, Fernando Esteves, que necessitam de ser poligrafados, fazemos o quê? Ler mais