All posts tagged: fake news

Espaço vegan na Feira do Fumeiro

No passado dia 5 de junho, o Polígrafo, órgão que se descreve como especializado em verificação de factos, utilizou uma imagem onde surge o meu nome, após a partilha de uma foto no Facebook, à qual acrescentei um comentário. Indo por partes, para que se possa perceber o que está em causa. As festas da Azambuja, Festas de Maio, tiveram lugar entre os dias 3 de Maio e 30 de Junho e, entre as muitas outras atividades e iniciativas, conta-se uma largada de touros. Esta decorre nas ruas da cidade, incluindo na Rua Victor Cordon, 74, onde está localizado o Espaço Bloco, pertencente ao Bloco de Esquerda.

O Polígrafo pergunta: “Bloco de Esquerda aproveita largadas de touros para se promover na Azambuja” e “fazer negócio”?. O Polígrafo diz que não. Que é falso. Esta é a foto em causa.

Falha objetiva
No artigo do Polígrafo, podemos ver um print screen da página Touro e Ouro, omitindo que essa não é a fonte original da foto, mas sim esta publicação pública de um utilizador do Facebook. A publicação no Facebook data de 31 de maio, o artigo na página Touro e Ouro é de dias 3 de Junho. A foto já estava a ser divulgada nas redes muito antes de chegar à página.

As mensagens
Como o meu nome e o meu comentário surgem associados a uma suposta notícia falsa, contactei o polígrafo nesse mesmo dia, de manhã, questionando o seguinte:

(…) classifica como falso o facto de o Bloco ter estado a fazer negócio durante as festas na Azambuja. Ainda assim, na peça, é afirmado que: “Na sua sede, no ‘Espaço Bloco’, instalado na Rua Victor Cordon, 74, local por onde passam e se realizam as largadas de touros, que levam milhares de aficionados e entusiastas à vila de Azambuja, o Bloco de Esquerda tem devidamente decorado um Burladero, como se pode ver na imagem, bem como tem recebido no seu espaço diversos membros da concelhia local, e amigos, que aí se têm divertido durante os eventos taurinos, segundo nos informam diversos aficionados locais”, remetendo depois para um comunicado da estrutura local do BE. Ou seja, o Polígrafo faz boa-fé do comunicado do Bloco e deixa de lado as informação de que houve convívios naquele espaço com que propósito? Valerá mais a palavra da estrutura local do Bloco do que a dos que foram contactados e referem o contrário? O Polígrafo desmente-se a si próprio e é incapaz de dizer se o espaço estava ou não a ser utilizado como bar, coisa que sucede sempre. Fico a aguardar esclarecimento da vossa parte“.

Depois de uma longa espera, envio nova mensagem, acompanhada desta imagem.

Recebo, finalmente, já durante a tarde, uma mensagem do diretor do Polígrafo, Fernando Esteves, onde me são pedidas “provas cabais” de que tal sucedeu: “Um recibo, alguém que admita em on que lhe venderam uma bebida na delegação do partido, o que quer que seja, desde que devidamente documentado e assumido? Se tiver, comprometemo-nos a corrigir o Fact-Check e a denunciar que o Bloco de Esquerda mentiu publicamente ao afirmar que isso não aconteceu“.

Ou seja, o Polígrafo, que no seu artigo se serve de um comunicado do BE da Azambuja e de outras fontes que contactou, mas não as divulga (fontes em off) espera, no entanto, que eu divulgue as minhas fontes em on. A esta questão, responde Fernando Esteves que “depois do fact-check do Polígrafo, se o BE tiver mentido, a informação que o prova chegará rapidamente. Estamos convictos de que o não fez. Nada há, nas imagens que analisámos, que sequer insinue que se vendeu cerveja na delegação do BE. Falámos com fontes do partido (e não só) e reforçámos essa convicção.” Isto é, na verdade, um bom alerta relativamente ao modo de trabalhar do Polígrafo, com base em convicções e, mais adiante, conforme mensagem recebida: “Quando um partido assume uma posição pública tão inequívoca é porque está muito seguro do que diz. Parte do pressuposto que, se um partido desmente, é porque é mentira.

Curiosamente, nos próprios comentários ao post do Polígrafo no Facebook, surge o seguinte comentário público:

Terá falhado esta fonte ao Polígrafo, nas várias que contactou para além do Bloco da Azambuja, como foi referido acima.

Os critérios do Polígrafo
Na página do Polígrafo, podemos encontrar o seu método de trabalho, que tem como base cinco pontos:
1 – Consultar a fonte original da informação
2 – Consultar fontes de natureza documental que possam solidificar o processo de checagem
3 – Ouvir os autores da afirmação, dando-lhes o direito de a explicar
4 – Contextualizar a informação
5 – Avaliar a informação de acordo com uma escala de avaliação

Neste artigo, o Polígrafo não cumpriu o primeiro ponto que diz ter como método de trabalho. O autor da foto original não foi contactado. O Polígrafo também não cumpriu o ponto três dos seus próprios critérios, uma vez que eu, sendo visado na publicação e autor da afirmação replicada no site e, mais tarde, num vídeo, não fui convidado a explicar o que quer que fosse.

A avaliação 
O Polígrafo classifica como falso que o Bloco usou um evento tauromáquico para se promover, mesmo mantendo a sua sede aberta e com o burladero devidamente identificado com o símbolo do partido. E, aqui, o Polígrafo entra em matéria de opinião e não de facto para defender a sua avaliação. E não é isso que fazem os sites com o mesmo propósito do Polígrafo. O Snopes, talvez o mais reputado e que acompanho regularmente, nunca o faz. Mas isso ficará ao critério do Polígrafo e do Fernando Esteves, que, certamente, não acharia estranho um espaço vegan numa feira do fumeiro. Percebo que seja difícil ao Bloco explicar a sua posição, que vota a favor da proibição dos eventos tauromáquicos na Assembleia da República – curiosamente, excetuando o seu deputado por Santarém, que se absteve – mas tem como proposta apenas o fim do apoio público a este tipo de eventos. Mas isso não é algo que, obviamente, cabe ao Polígrafo avaliar.

Um convite
Dito isto, fica o convite ao Polígrafo, que agora está semanalmente na SIC, em horário nobre, que investigue se há ou não uma lista de jornalistas avençados do BES na posse do Expresso, do mesmo grupo da SIC, que eram pagos pelo banco para dizer o que melhor conviesse a Ricardo Salgado. Estamos há anos ansiosos por saber.

Finalmente
Pela minha parte, o Fernando Esteves não tem de preocupar-se com a difusão de notícias falsas. Combatêmo-las aqui no Manifesto74 e nas redes, tantas e tantas vezes, muito antes de o antigo editor da revista Sábado fazê-lo profissionalmente. A título pessoal, serei o primeiro a assumir que o fiz, se alguma vez o fizer, a bem da verdade e do bom uso das redes sociais, que faço questão de manter com o mesmo nível de exigência que tenho para comigo fora das redes.

O cozinheiro Kiko e as fake news

Hoje debate-se, no Parlamento, a desinformação. Há uns dias, a Agência Lusa organizou uma conferência sobre fake news. Do que ouvi, tirando o Paulo Pena, foi muito pouco relevante e continua a haver um discurso redondo dentro dos próprios profissionais da área da comunicação social: Os media têm de combater as fake news, mas não refletem no papel que desempenham na disseminação de fake news. Uma oradora usou mesmo, na sua apresentação, um print de uma notícia falsa publicada pelo Expresso, sobre uma suposta diretiva de Bruxelas (imagem daqui). Nicolau Santos, jornalista e administrador da Lusa, referia no evento que “o que se pratica nas redes sociais não é jornalismo, feito segundo os códigos de ética a que os jornalistas estão obrigados”. Em 2004, no entanto, “os códigos de ética a que os jornalistas estão obrigados” permitiram ir para a neve às custas do BES, cuja lista de jornalistas avençados continua em segredo. Mais tarde, em 2012, o mesmo jornalista lançou para o estrelato Batista da Silva, um especialista da ONU, quando, afinal, Batista da Silva era ninguém. Há, assim, aqui vários pontos interessantes a considerar, que, creio são relevantes para atendermos ao estado dos media em Portugal.

Pluralismo
Não há jornalismo sem jornalistas e a concentração de órgãos de comunicação social como propriedade de meia dúzia de grupos económicos é um fator determinante para o fim da pluralidade. Os mesmos jornalistas escrevem para o grupo e não para o OCS, pelo que, obviamente, não são precisos tantos jornalistas. É a lógica do mercado. Menos jornalistas, o mesmo trabalho, mais receita. Associada a isto, vem a precariedade. Menos jornalistas nos quadros, mais receita, o mesmo trabalho. No entanto, o mesmo trabalho é pior do que seria se fosse feito por mais jornalistas. Por isso, é essencial que haja redações com jornalistas e jornalistas com direitos. Sem isso, não há jornalismo. Há a repetição acrítica de notícias – verdadeiras ou falsas com base em agências de agências de agências.

Tempo
O tempo do jornalismo não é o tempo das redes. Ou, então, o jornalismo deixa de ser jornalismo e passa a ser parte das redes com tudo o que têm de bom – a informação ao segundo – e de mau – a informação falsa ao segundo. Aqui segue um exemplo:

Na verdade, a ponte bloqueada por militares a que se referem todas estas notícias, nunca foi inaugurada nem esteve em funcionamento, como se verifica nesta peça do La Opinión.

No entanto, a notícia foi acriticamente replicada pelas redações dos principais órgãos de informação portugueses. Passou a ser verdade perante a opinião pública. Do mesmo modo, o Observador avançava com a seguinte notícia:

A imagem é verdadeira. O Observador nunca reconheceu o erro.

A TVI noticiava, falsamente, que o PCP atacava a greve dos enfermeiros quando, na verdade, se referia à chantagem dos privados sobre a ADSE. À hora a que escrevo, o post da TVI continuava online.














































Herrar é umano
Partindo dos exemplos anteriores, a reflexão continua a não ser feita pelos próprios em torno das notícias falsas que divulgam. Nas semanas recentes, são muitos os exemplos, nomeadamente em relação à Venezuela. Onde é que fica aqui a autocrítica? Qual deverá ser o seu papel quando erram? Porque é que custa admitir o erro? Quando foi feita a autocrítica e a reflexão em relação ao que (não) eram as armas de destruição massiva no Iraque, que nos foram dadas como verdadeiras? Dos Capacetes Brancos na Síria, que nos apresentavam como sendo os rebeldes moderados mas que, como foi dito tantas vezes por tanta gente, não eram mais do que elementos financiados pelos EUA através da Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, que estão agora a ser mobilizados para o Iémen? Que, de resto, ninguém se lembra.
Hoje mesmo, o site da revista Sábado revela a mirabolante história do cozinheiro Kiko, que seria autor do primeiro prato a ser cozinhado em Marte, vencedor de um concurso da NASA. A história apareceu na TVI, no 5 para a Meia Noite, no Observador e na inevitável Cristina. Para isso, o cozinheiro só precisou de escrever um comunicado que enviou às redações. Estas seguiram-no. Não investigaram, não questionaram. Já sabemos o papel das redes na desinformação. Talvez seja altura, como referi, de se discutir o papel da Comunicação Social na disseminação de desinformação.

Contrapoder
O jornalismo tem de ser contrapoder. A partir do momento em que passa a movimentar-se nos corredores do poder e tem como ambição lá chegar, acaba o jornalismo e começa outra coisa qualquer. Recordemos, por exemplo, o caso do Diário de Notícias, cuja lenta agonia há de levá-lo a desaparecer de vez e, paradoxalmente, talvez seja também este o motivo que o mantém vivo. No consulado do PSD-CDS, de Passos e Portas, o DN cedeu nada menos do que 10 jornalistas para integrarem assessorias no governo ou em organismos públicos. Licínio Lima, Carla Aguiar, Eva Cabral, Francisco Almeida Leite, João Baptista, Luís Naves, Maria de Lurdes Vale, Paula Cordeiro, Pedro Correia e Rudolfo Rebelo. Nenhum jornal digno desse nome pode dar-se ao luxo de perder 10 jornalistas. Nenhum jornalista digno desse nome faria o caminho que alguns destes nomes fizeram até chegarem, através dos jornais, e não do jornalismo, ao local que sempre desejaram. E, porque começo o texto falando em discurso redondo, talvez seja em casos como estes que se fecha o círculo da crise dos media, que tem agora nas redes e nas fake news a desculpa ideal para continuar a não olhar para dentro.