All posts tagged: Sindicalismo

Vai à merda, Isabel

Estávamos em 2017. Lembro-me como se fosse ontem. Provavelmente não te lembras de mim, porque eu era só mais um dos trabalhadores em luta. Era dia 28 de Março e nós, os jovens precários da Randstad, fizemos greve. Tínhamos decidido concentrar-nos à porta do edifício da Meo na Praça do Areeiro, e daí seguimos em marcha até à sede da Randstad em Lisboa, na Avenida da República. Ler mais

Para não ter protestos vãos

Assistimos nos últimos anos (leia-se: desde a entrada em funções do actual governo) ao surgimento de movimentos civis que, mais do que organizar o descontentamento popular, têm todo o apoio da comunicação social para gerar o descontentamento que depois cavalgam. Estamos todos recordados da forma como foi empolada a opção do governo de cortar no financiamento aos colégios privados com contratos de associação. Se não estiverem, podem recordar o drama aqui.

Depois desta idiotice pegada, obviamente, a direita tomou-lhe o gosto e, achando que andamos aqui todos a comer gelados com a testa, pegou em Ana Rita Cavaco, a Bastonária da Ordem dos Enfermeiros que antes disso foi Conselheira Nacional do PSD e passou por dois governos PSD (o de Durão e o de Passos), e incumbiu-a de criar dois sindicatos-fantoche que só têm servido para colocar em causa o já débil funcionamento do SNS.

A partir daqui a fantochada só piora; mais recentemente, um patrão da camionagem e um advogado trafulha lembraram-se de criar um sindicato de camionagem, apesar do primeiro ser objectivamente quem explora os trabalhadores da sua empresa e o segundo nunca ter pegado num camião na vida. O trafulha, não contente com o feito, já anunciou que vai pertencer aos organismos de gestão de mais uns quantos sindicatos de sectores onde nunca trabalhou.

A pergunta da praxe é, obviamente, “Onde é que andaram nos anos da troika?”. Mas nem é essa a pergunta que importa fazer. Os anos da troika foram maus, mas o que eu gostava mesmo de saber é onde é que andaram nos últimos 45 anos de política de direita, e mesmo assim estou a dar de barato a ausência desta gente no sindicalismo de classe que havia mesmo antes de Abril e que levou muitos camaradas meus, alguns ainda vivos, a bater com os costados na cadeia.

E tal como o meu partido é silenciado na comunicação social – algo tão óbvio que quem quiser debatê-lo pode fazê-lo com a parede mais próxima, porque para esse peditório eu não dou – o sindicalismo de classe, o sindicalismo dos sindicatos da CGTP-IN, é também ele silenciado. São décadas de lutas sem qualquer espaço nos media para os nossos activistas, mas temos directos atrás de directos em protestos de enfermeiros em que os dirigentes dos sindicatos-fantoche cedem a palavra à Bastonária. Despedem-se 51 trabalhadores da autarquia em Almada, e nem uma palavra. O SINTAP faz uma acção e tem lá a comunicação social em peso.

A ver se torno isto claro: o capital não tem medo nenhum de discursos inflamados ou de revolta. Aquilo que assusta o patronato é a luta organizada. E a luta organiza-se com consciência de classe e unidade na acção. E esta unidade tem de ser promovida por local de trabalho, por empresa, por sector. Pode parecer aglutinador um Sindicato dos Trabalhadores do Concelho de Almada (fundado por ex-dirigentes da UGT e do SINTAP), que “integra todas as mulheres e homens trabalhadores que nele se inscrevam, livremente e que exerçam funções de serviços em todos os sectores de actividade, publico, privado ou cooperativo”1, mas que unidade é que isto permite? De que forma é que este sindicato pretende representar ao mesmo tempo os 51 cantoneiros de limpeza despedidos pelo actual executivo PS/PSD na câmara e os trabalhadores do Minipreço em luta pela actualização de tabelas salariais?

O trabalhador de contact center da Randstad colocado ao serviço da Meo tem reivindicações mais próximas do administrativo dos quadros da Meo do que o seu colega de empresa, também trabalhador de contact center da Randstad, mas colocado em Évora ao serviço da Fidelidade. E ainda estamos só a falar de operadores de contact center da mesma empresa. Imagine-se querer agrupar debaixo da mesma bitola todos os operadores de contact center independentemente da empresa para a qual prestam serviço. Tentar fazê-lo, ainda que isto permita algumas conquistas locais, promove a desagregação de laços entre profissionais de áreas diferentes dentro da mesma empresa, quando o objectivo dum movimento sindical unitário, democrático e de classe seria trazê-los à mesma luta.

Merecem a este propósito menção honrosa alguns sindicatos “independentes” de tudo menos de certos grupelhos trotskistas e que, apesar de todo o seu discurso revolucionário, servem um único propósito que é de dividir a classe, acusando toda a CGTP de ser um instrumento do PCP. Se tivessem um pingo de vergonha na cara calavam a boca em vez de repetir a lengalenga que a direita usa há décadas. Seguem a cartilha do capital, que pela mão dos lacaios Maldonado Gonelha e Torres Couto, entre outros, pretendem desde sempre “partir a espinha à intersindical”.

Sim, há muitos comunistas nos sindicatos da CGTP. Há muitos comunistas em comissões sindicais, tal como há muitos comunistas nas comissões de higiene, segurança e saúde no trabalho. Mas só lá estão com o voto daqueles que com eles trabalham. Falar é fácil, mas só mesmo os comunistas para, com prejuízo do seu tempo livre e arriscando o posto de trabalho, ter este espírito de missão que nos faz lutar não por nós, mas por todos.

Não para fugir à exploração, mas para lhe pôr um fim.

P.S. – Um texto sobre o movimento sindical de classe não ficaria completo sem um apelo à participação na Manifestação de 10 de Julho.

Pela revogação das normas gravosas da legislação laboral, contra as propostas de alteração do governo PS que a agrava, pela valorização do trabalho e dos trabalhadores! Dia 10 de Julho, 14h30, na Praça da Figueira.

Notas:

1 – Ex-Dirigentes da UGT e SINTAP fundam Sindicato em Almada

“Sou eu que vos pago o ordenado!”

… e outras tiradas do mesmo calibre. É isto que os trabalhadores do Estado têm de aturar. Nem todos, claro. No país do respeitinho (que é muito bonito!) os polícias estão acima de suspeita ou crítica. Mas são os únicos. Todos os outros são “chulos” e andam a “mamar na teta do Estado”. É mais ou menos esta a opinião publicada, reforçada até à exaustão pelos órgãos de comunicação social e por sucessivos governos que usam a estratégia de semear discórdia entre trabalhadores de diversos sectores como forma de fugir à contestação social.

“Há dois salários mínimos, um no público e outro no privado!”

Não, não há. Salário Mínimo Nacional há um, que é apenas 600€ porque o governo decidiu despachar a discussão desse valor para a Concertação Social, onde se sentam dois representantes dos trabalhadores, dois lacaios e quatro patrões. Na função pública o que há é uma base de tabela salarial de 635,07€ para a carreira de Assistente Operacional. Não há nem tem de haver qualquer relação entre os dois valores: uma coisa é o valor que o Estado burguês deixa que os patrões paguem. Outra é aquilo que através da sua luta os trabalhadores arrancaram ao patrão-estado.

“Também quero ter ADSE!”

Pois. E eu também queria entrar para o pote de Euromilhões daquela malta cheia de sorte. Mas não dá, a ADSE é um subsistema de saúde criado pelos trabalhadores e financiado na totalidade pelo desconto de 3,5% do salário dos trabalhadores do Estado. É um subsistema criado pelos trabalhadores do sector e para os trabalhadores do sector, resultado da forte sindicalização e unidade na luta.

“Trabalham menos horas!”

Verdade. Mas já trabalhámos todos o mesmo tempo. 7 horas de trabalho mais 1 hora de refeição. Entretanto os patrões do privado decidiram fazer o entendimento que o horário de 8h era de 8h de trabalho, e a hora de refeição deixou de contar. Uma vez mais, quem se sente injustiçado deve dirigir a sua indignação não contra os trabalhadores do Estado, mas contra os seus patrões.

“Trabalham pouco e ganham muito!”

A média salarial nas carreiras gerais da função pública é inferior à média nacional. E dentro das carreiras gerais, os mais mal pagos são os assistentes operacionais. O que significa que os trabalhadores que pior recebem no Estado são os gajos que asseguram que toda a gente tem água potável em casa bastando para isso rodar uma torneira. São os trabalhadores da varredura e da recolha de resíduos sólidos urbanos, que constituem a primeira linha de defesa da saúde pública. São os calceteiros, os pedreiros, os serralheiros, etc. Parafraseando o Galeano, são os gajos que fazem o mundo – ou que pelo menos fazem dele um lugar habitável.

“Os professores ganham bem e ainda se queixam!”

É verdade que têm uma remuneração média acima da média nacional. Mas também é verdade que são o sector profissional mais qualificado, levam trabalho para casa – os testes não se preparam nem se corrigem sozinhos – e que têm nas mãos a responsabilidade enorme de formar as gerações futuras.

E assim voltamos ao início: “Sou eu que vos pago o ordenado”

Não, não és. O nosso ordenado quem no-lo paga é o nosso trabalho. E o nosso trabalho é assegurar os serviços públicos e as funções sociais do Estado. De nada.

Esta deformação da opinião pública tem autores e tem objectivos. Semeando a discórdia, a classe dominante consegue que os trabalhadores do Estado percam a solidariedade dos restantes sectores. E sem essa solidariedade, pode ser adiada ad aeternum a regulamentação do subsídio de insalubridade, penosidade e risco. Podem cortar-se subsídios de férias e Natal. Podem congelar-se admissões e progressões. Podem privatizar-se serviços. Podem ser mantidos com baixos salários os trabalhadores de um sector com uma elevada taxa de acidentes de trabalho e doenças profissionais.

E pôde-se, no passado dia 10 de Maio, mas que mais parecia 24 de Abril, cortar-se a passagem a uma manifestação da Frente Comum com duas carrinhas do corpo de intervenção, “por motivos de segurança”, sem que nada o justificasse. Os representantes eleitos por milhares de trabalhadores foram até impedidos de montar um palanque e discursaram de cima de uma escada. Tudo isto na mesma semana em que o descongelamento dos 9 anos, 4 meses e 2 dias dos professores foi novamente recusado pela direita, em que se perdoaram 116 milhões de euros de dívida a um milionário, em que o pulha do Berardo foi à Assembleia da República por a nu a natureza de classe do Estado burguês.

UGT, what else?

Esta coisa de de repente se apresentarem alternativas ao velho “arco da velha”, anda a irritar muita gente. Inefável na sua defesa do “centrão”, condição essencial para a sua existência, vem agora a UGT, através do seu iluminado líder, Carlos Silva, dizer que bonito, bonito era um blocozinho central com o CDS à mistura. Nada de novo, os cães fiéis e bem treinados obedecem sempre à voz do dono, sabem bem que no dia em que o não fizerem vão descalços para a cama e de barriga vazia.

Sempre que é preciso a máscara da UGT cai. Já o lancei várias vezes e volto a lançá-lo, o apelo aos trabalhadores sindicalizados nos sindicatos desta amarelice em forma de central sindical para que se deixem disso. Não adianta pagarem quotas a quem efectivamente não vos defende, não adianta suportarem sindicatos que constantemente aceitam migalhas em troca de bifes do lombo.

Os exemplos são mais que muitos. Um dos últimos, assinado pela calada durante as férias balneares de Agosto, é o acordo colectivo entre a FNE, federação dos professores da UGT, e pela AEEP – Associação dos Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo. Este acordo responde, nomeadamente, ao fim dos apoios europeus ao Ensino Artístico Especializado, e fá-lo como? Modificando as tabelas salariais e a contagem do tempo de serviço em desfavor dos professores, ora bem. E quando se começaram a perceber os problemas de financiamento e de funcionamento que estas escolas iriam ter, já lá estava o acordo colectivo assinado, para ser entregue pelos directores destas escolas aos professores que, com medo de perder o emprego, até foram assinar tal documento.

E é isto todos os dias, a todas as horas, a todos os segundos, a UGT e os seus sindicatos a colaborarem com os patrões, a aumentar-lhes o espaço de manobra, a encher-lhes os bolsos, sempre em defesa da concertação social e dos desígnios do país. Anda tudo a tremer que nem varas verdes. Bem, a UGT não treme, mantém-se firme no divisionismo.

Este texto, ao nível da qualidade de escrita, ficou fraquinho. Mas também para que é que me havia de dar ao trabalho de tentar escrever alguma coisa de jeito sobre uma coisa que não tem jeito nenhum?

Para terminar, um pequeno texto do Ricardo Matos, apanhado por aí: “A situação política actual é muito pedagógica. Uns estão a perceber
agora porque que é que as legislativas não são eleições para primeiro
ministro. Outros descobrem a democracia parlamentar. Outros ainda deram a
descobrir que a democracia não é o seu forte.”

Resto de bom domingo, no quentinho, que faz frio lá fora.

E tu, o que vais fazer sobre isto?

Números. Percentagens. Sobe e desce. Sondagens do fixo. Sondagens de rua. Arruadas que inundam ruas. Arruadas genuínas, com pessoas que se deslocaram ali porque quiseram. Arruadas fictícias, com pessoas que se deslocaram ali porque lhes pagaram. Centenas aqui. Milhares ali. Dezenas acolá. Salas cheias. Também algumas genuínas e outras, muitas, fictícias. E no meio disto, e nesta primeira semana de campanha, o número mais importante para mim foi o “um”. O “uma”. Uma pessoa que me entregou a sua ficha de inscrição no Sindicato. Uma pessoa que assumiu a sua opção de classe.


No dia 5 de Outubro o mundo não passa a girar ao contrário e os que mandam não vão ser outros. Vão continuar a ser os mesmos. Os que pressionam e compram aqueles que estão em lugares políticos de poder. É por isso que estas eleições são importantes, não para saber se ganha a continuidade ou a alternância da continuidade. O que importa é que aqueles que não sei deixam pressionar nem comprar pelos que mandam aumentem a sua influência na Assembleia da República. É esse o verdadeiro voto útil.

O voto é teu, a opção de classe é tua. O voto não chega, mas ajuda, a opção de classe é essencial. As organizações que te defendem, todos os dias, todas as horas, precisam de crescer, precisam de ter mais força, mais músculo para contrariar o quotidiano imposto pelos que mandam.
E os que mandam não são entidades vagas, são eles, eles mesmos, mas esse eles tem cara, tem carne, tem ambições desmedidas e quase sempre tem medo de ti, medo que deixes de ter medo deles e te juntes aos outros que são como tu. Medo que lhes digas não, que lhes digas ide roubar ó caralho!

Eles são o patrão que nunca te mostra a cara, que se esconde no gabinete luxuoso do último andar do prédio da empresa e que no elevador só sabe carregar num botão, o da garagem onde tem o carro que o leva dali para fora. E que bela vista para o rio tem o seu gabinete.

Eles são o dono do banco que acha que aqueles milhões de lucro ainda não são suficientes. A falta que lhe faz uma mansão nova.

Eles são aquele patrão que não gosta de pagar salários e que paga os mais baixos que consiga. Ai as férias do outro lado do mundo.

Eles são o teu antigo colega que subiu na empresa a troco de favores e acaba de te dizer que infelizmente os teus serviços já não são necessários e estás dispensado. É grande o bónus que ele recebe por cada despedimento.

Eles são aquele escritório de advogados que de forma matemática estuda a melhor forma de dinamitar toda e qualquer hipótese das leis laborais te defenderem. E os futuros cargos em empresa de renome que eles vão ter.

Eles são os teus colegas que dizem colaborador em vez de trabalhador e que até fizeram um sindicato novo de que os patrões gostam mais porque cedem em toda a linha. E quando perceberem que vão para a rua como os outros?

Uma pessoa. Uma pessoa mais que assumiu a sua opção de classe. Uma pessoa mais que vai ajudar a que a luta pela mudança disto tudo continue mais forte depois das eleições, seja qual for o resultado. Uma pessoa que no minuto de fazer a cruzinha, certamente vai olhar para o boletim e pensar n’eles e vai mandar à fava os seus consensos. Ela sabe que os consensos deles são os seus sacrifícios. Os nossos sacrifícios.

E tu, que sabes isto, que vais fazer? Repito-te.

É por isso que estas eleições são importantes, não para saber se ganha a continuidade ou a alternância da continuidade. O que importa é que aqueles que não se deixam pressionar nem comprar pelos que mandam aumentem a sua influência na Assembleia da República. É esse o verdadeiro voto útil.

E tu, que no fundo sabes que é mesmo assim, o que vais fazer? A sério, mesmo a sério. E tu, o que vais fazer sobre isso?

Há quem diga que a luta não vale nada, que está gasta!

Retirado daqui.

“O Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, anunciou esta terça feira na Comissão Parlamentar de Cultura que a Proposta de Lei do governo que visava a criação de um Estatuto do Bailarino da CNB não será entregue na Assembleia da República. Este anúncio surge depois do pré-aviso de greve entregue ontem pelo CENA e que foi aprovado por esmagadora maioria em plenário de emergência dos trabalhadores da CNB.


Por agora, e porque já durante este processo a palavra dada pelo gabinete do SEC não foi cumprida, o pré-aviso mantém-se válido. Assim que se confirme que esta proposta não avança, será natural que a greve seja desconvocada.
O CENA e os bailarinos da CNB, continuam a defender que é urgente e justo iniciar um processo aberto, ponderado e de verdadeira discussão sobre o Estatuto do Bailarino da CNB. A solução para estes trabalhadores não é a continuação do seu actual quadro laboral.

É necessário um Estatuto que contemple estas e outras medidas:

– o desgaste rápido da profissão;

– um travão à precarização da profissão, acentuado com a Lei 4/2008;

– um regime especial de seguro de acidentes de trabalho que não remeta para a lei geral;

– o respeito pela ocupação efectiva.

Esta vitória só foi possível devido à grande união entre todos os bailarinos da CNB e restantes trabalhadores. Serve mais uma vez como um exemplo claro de que vale a pena pugnar por leis laborais que dêm às nossas profissões uma maior dignidade e um enquadramento que reflicta as suas especificidades.

Neste momento, e por via das propostas apresentadas na AR, tratava-se apenas da situação específica dos bailarinos da CNB, mas é imperioso que esta discussão possa levar à aprovação de um estatuto profissional para todos os bailarinos e bailarinas. Estamos certos de que a aprovação de um Estatuto do Bailarino da CNB que responda efectivamente às necessidades destes trabalhadores, pode ser um passo importante e decisivo para que no futuro seja aprovado um estatuto geral da profissão.”

UGT a voar baixinho

Foi conhecida ontem a decisão do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC)de desfiliar-se da UGT. O SNPVAC era um dos sindicatos com maior peso dentro daquela central e, após referendo, os associados decidiram deixar a estrutura liderada por Carlos Silva. Recordemos que Carlos Silva, antes de ser eleito representante de uma estrutura que alegadamente defende os interesses dos trabalhadores, foi pedir autorização a Ricardo Salgado, ex-Dono Disto Tudo, para pertencer à direcção daquela organização. E ficou desde logo claro a quem Carlos Silva presta contas.

O SNPVAC bateu as asas e foi para longe da UGT, ao que parece, por considerar que central é a favor da privatização da TAP e quebrou a solidariedade ao firmar um acordo com o governo que culminou com o cancelamento da greve agendada por aqueles trabalhadores em Dezembro passado.

Objectivamente, o que espanta é ainda haver sindicatos que depositam qualquer confiança na UGT. Depois do impoluto Torres Couto, Carlos Silva é o rosto da continuidade do trabalho – ou falta dele – de João Proença, dirigente do PS que até foi a estrela das jornadas parlamentares do PSD, estando, por coincidência, a trabalhar na AICEP. Proença e Silva, Lda. tentaram preparar outros caminhos e vão piscando o olho à presidência do Conselho Económico e Social, para render Silva Peneda. O primeiro nome a ser avançado no início do ano foi o de Silva, que não terá agradado a todos, seguindo-se Proença, que também não deverá ser o senhor que se segue. Ofereceram-se os dois mas nenhum deverá assumir o cargo.

Ao longo dos anos, a UGT foi fazendo o seu caminho e cumprindo a missão para que foi criada: dividir os trabalhadores e caucionar as políticas mais miseráveis dos sucessivos governos. No entanto, as coisas iam sendo mais ou menos dissimuladas, funcionando assim: o governo/patrões lançam para a opinião pública que se preparam para tirar 100 mas, na verdade, sempre pensaram em tirar 95. Assim, a UGT faz de conta que negoceia e concorda, dizendo que perder 95 é melhor do que perder 100. Foi assim durante anos e continua a ser assim. O governo sai como dialogante e a UGT como conciliadora dos interesses dos trabalhadores e patrões.

Não há muito a dizer sobre uma central alegadamente sindical que, nos piores anos depois do 25 de Abril, dos maiores ataques aos trabalhadores por parte do PSD/CDS, tantas vezes com o apoio do PS, pretende “um grande entendimento entre PS, PSD e CDS para mais do que uma legislatura“.

O alarido mediático que seria feito caso um sindicato da CGTP ponderasse, sequer, deixar a Inter também merece nota, comparado com as notícias tímidas que vão saindo em relação ao SNPVAC, agora sindicato independente.

A UGT pretende assim a continuidade dos baixos salários, da exploração, da indignidade, dos sacrifícios para os mesmos de sempre. Não é novidade. Mas é sempre bom relembrar.