PAN: O Partido de Estimação do Capital

Nacional

Quando o sistema capitalista se sente ameaçado reage. Defende-se. Ataca. Se puder, aniquila o adversário, derruba o obstáculo, impede o seu crescimento. Com inúmeros tentáculos, tantos quantos os seus múltiplos interesses, não é por outro lado expectável que leve ao colo ou seja mansinho face a quem possa minimamente pôr em causa o seu domínio selvático. Vem isto a propósito da completamente desproporcionada atenção mediática que o PAN e o seu congresso tiveram nos media durante os últimos três dias. E a conclusão é simples: o PAN é um partido “de estimação” do sistema, amigável, de ecologia fofinha, que como não belisca interesses instalados tem neles direito a um “colinho” como nunca se viu com partidos ou movimentos ecologistas.

O PAN não faz a mínima mossa ao sistema, nem àqueles que o representam politicamente. Se fosse, de facto, uma força de oposição efectiva aos partidos do sistema, que são, de resto, responsáveis directos pela ausência de políticas ambientais consequentes e consistentes no país há décadas, não teria a atenção e a condescendência que vai tendo. Pelo contrário, o PAN é ele próprio um partido do sistema, um partido que responde  com pétalas à voragem capitalista. Que do ponto de vista económico defende aquilo a que, um pouco idiotamente chama de “banca ética”, e que apesar de se tratar de um conceito no mínimo sonso, não entra nas notícias nem cabe nas análises “comentadorísticas”.

O PAN podia servir para alguma coisa, mas não serve para nada. Recebe um capital de espaço mediático que o PEV, um partido ecologista com responsabilidade social e verdadeiramente pioneiro, por exemplo, nunca recebeu. E a resposta é simples: o PEV sabe bem que não há capitalismo fofinho nem “bancas éticas”. O PEV sabe e luta contra a raiz do problema. O PEV luta e enfrenta a onda capitalista que ataca o ambiente. Já o PAN, prefere navegar nela. Não obstaculiza a destruição nem defende ecossistemas. Pelo contrário, desde a primeira hora da sua formação, nunca foi senão cúmplice. Um cúmplice de quem, pelo que se vê, o sistema gosta muito.

1 Comment

  • Filipe Campos

    7 Junho, 2021 às

    Infelizmente o PEV não é nada disso, e a prova foi o crescimento do Pan.
    O PEV devia ser mais atrevido e não passa de um partido que dobra o pijaminha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *