Todos os artigos: Nacional

Sequestrados e sem direitos políticos

Há cerca de duas semanas, em conversa telefónica, a minha mãe, residente num lar, manifestou que queria votar, de uma forma tão categórica que até me surpreendi, já que ela tem por hábito delegar todo o tipo de decisões para os filhos. É certo que ela nunca deixou de votar e que para isso nunca manifestou a mais mínima indecisão. Fui procurar o que havia sido decidido sobre o assunto e nada. Nada de nada.

Uns dias depois dizem-me que aos lares serão aplicadas as mesmas regras que às pessoas em confinamento obrigatório. Na página do SGMAI não há nada sobre isso mas oiço e leio algures essa confirmação. Como o prazo para requerer o voto nessas condições era entre 14 e 17, e no dia 14 não tive oportunidade de falar com a diretora do lar, falei com ela no dia 15.

Ler mais

Por que vale a pena votar no João Ferreira

Foi há poucos dias. Depois de escrever uma reportagem sobre o frio que os portugueses passam em casa, um dos entrevistados contou-me que uma mulher havia deixado de dar sinais de vida há poucos dias na aldeia dos seus pais, na Guarda. Cá fora, a vida decorria normalmente, como se nada fosse, mas atrás da porta, o corpo desta mulher estava em hipotermia e só foi descoberto depois de arrombarem a porta.

É assim o debate político. A narrativa mediática é que determina a campanha. Com sondagens para os gostos de alguns, debates que mais pareceram entrevistas e entrevistas que mais pareceram debates, assim como programas com comentadores ligados ao arco do poder, as eleições são um jogo viciado em que não há pé de igualdade entre candidatos. Cá fora, a vida decorre normalmente. Mas atrás dos cortinados, nos bastidores, há um país ligado às máquinas.

Ler mais

Ecoegoísmo e a refinaria de Leça

Dias antes do Natal, os trabalhadores da refinaria da Galp, em Leça da Palmeira, souberam através de uma comunicação da administração da empresa à CMVM, que iriam ficar desempregados. Até hoje, dia 10 janeiro de 2021, ainda não foram contactados pela administração para iniciar qualquer processo negocial. Estamos a falar de cerca de 400 trabalhadores diretos da refinaria e mais 1.000 de trabalhadores subcontratados. Os tais 1.000 que não faziam falta aos quadros de trabalhadores da Galp quando foi privatizada, mas que estão lá, todos os dias, a colocar a refinaria a funcionar. O nível de baixeza, de indecência, de insensibilidade da administração da Galp, ao fazer o anúncio em plena pandemia, tem todos os contornos do pior que o sistema tem para nos oferecer.

Ler mais

O Polígrafo Mente

E de forma descarada. Numa publicação de alegado «fact-checking», assinada pelo aferidor da verdade de serviço Rui Oliveira Costa, foi imputada a João Ferreira uma declaração segundo a qual o candidato apoiado pelo PCP «não defende a saída de Portugal do Euro». Nada mais falso, pela simples razão de que não foi isso que João Ferreira disse. Ora, o que João Ferreira disse ontem, no debate com Ana Gomes, cujo vídeo está aí em toda a parte para ser visto e revisto por qualquer pessoa, é que «não defende a saída de Portugal da União Europeia». Contudo, e como se isto não bastasse, o texto tem determinados «requintes» que importa aqui salientar. É que não se trata só da propagação de um conteúdo falso, de uma atribuição grave de declarações falsas, mas de toda uma redacção de texto que visa sustentar a mentira de forma confusa e manipuladora.

Ler mais

Um fascista, combate-se

Evidentemente há sentimentos dúbios em muita gente sobre o debate de ontem. Particularmente para quem procurava ouvir. E seguramente ninguém gosta de gritos.

Mas antes de ir propriamente ao debate, duas notas prévias sobre a organização e direcção do mesmo:

a) uma moderadora, Carla Moita, que não só se absteve do papel de moderar como passou grande parte do tempo a dirigir o debate com questões que nada têm a ver com programas ou poderes presidenciais mas com o programa específico de um dos presentes;

b) a análise ao debate, perfeitamente esclarecedora de Pedro Delgado Alves, também ele sistematicamente interrompido pela jornalista, enquanto um dos outros comentadores tem afinidades mais do que conhecidas a um dos presentes no debate e, também ele, com mais tempo de antena.

Ler mais

“E porque não com gás?” Pela demissão de José Rodrigues dos Santos

O canal é público e a vergonha é de todos: José Rodrigues dos Santos esteve 23 minutos nas nossas casas, sem contraditório, a negar o holocausto. A forma mais perniciosa e permeável de negar o holocausto em 2020 não é dizer que ele não existiu, mas deturpá-lo, falseá-lo, mutilá-lo na total dimensão do seu horror e descontextualizá-lo.

«A certa altura, há alguém que diz “Epá, estão nos guetos, estão a morrer de fome… não podemos alimentá-los. Se é para morrer mais vale a pena morrer de forma mais humana. E porque não com gás?»

Ler mais

O punk do bairro negro, um conto de natal

Se me perguntassem como é que me convenceram, a mim que tenho vertigens, a trepar ilegalmente a uma torre da ponte 25 de Abril na noite de 25 de Dezembro de 2005, eu teria de admitir que não me lembro. Porque éramos putos, talvez; porque éramos estúpidos, de certeza; porque houve um desafio e ninguém queria parecer cobarde, provavelmente. E porque era a prenda de Natal dele. Só me lembro de andar, pé ante pé, pelo cabo de suspensão acima, a agarrar com muita força, com as duas mãos geladas de suor e de vento, a vida pelos dois fios de aço que acompanham o enorme tirante que suspende o tabuleiro.

Ler mais