Autor: Milene Vale

Anatomia de um processo revolucionário: Greve, de Sergei Eisenstein

Em 1918, Sergei Eisenstein abandonou a escola para se alistar no Exército Vermelho. Mais tarde, é no cinema, entusiasmante arte por desbravar, que continua a combater aguerridamente pela construção do socialismo, após uma breve experiência no teatro agit-atracção, ramo experimental e eminentemente politizado. Greve (1925), a sua primeira longa-metragem, é bem mais do que um filme, tendo-se tornado, desde a sua estreia, num marco do cinema soviético que influenciaria os seus contemporâneos, como Dovzhenko ou Ermler, pois o conjunto de inovações técnicas que apresenta, por si só, encabeçavam, na sequência da Revolução de Outubro de 1917, uma nova revolução no que concerne às artes. Parte inaugural de uma série de filmes que reconstroem a luta atribulada dos trabalhadores, na Rússia pré-URSS, e cujo fio condutor é a urgência da ditadura do proletariado, Greve é uma colaboração entre o centro cultural Proletcult e os estúdios Goskino, que se encarregaram da sua distribuição. Embora não tenham chegado, em massa, ao público internacional, até às décadas de 50 e 60, Greve e as demais obras do cineasta despoletaram reformas várias na forma de fazer cinema, particularmente, na Europa. A sua descoberta simboliza um momento de viragem para o cinema de todo o mundo, que se sentou boquiaberto e tomando notas, absorvendo os seus contributos para o desenvolvimento da sétima arte. Hoje, nem Eisenstein está datado, nem a Greve é temática obsoleta.

Ler mais

A torneira, o interruptor e o azul do mar

Fotografia de Mohammed Zaanoun, fotojornalista palestiniano.

Já lá estava gente, já lá viviam pessoas. É isto que os engravatados do telejornal nunca dizem, tentando convencer o espectador de que o início do massacre em curso data do passado 7 de Outubro. Já lá existiam famílias, sonhos e vontades. É o que nunca ouvimos da boca dos finos fantoches do imperialismo, nos estúdios de Queluz de Baixo ou nas costas quentes de Tel Aviv. Já lá conviviam templos, culturas e olivais. Já lá nascia vida. Já lá se moía, há muito, o grão de bico, com um dente de alho, tahini e sumo de limão. Já lá se havia edificado um povo inteiro que, hoje, resiste à barbárie sionista. Os sonhos foram ceifados, os olivais, abatidos, e a Terra, que há muito não é santa, ocupada ilegalmente por essa vesana e assassina ideia de Israel, Estado genocida erguido sobre enxurradas de sangue palestiniano. Mas, à pretensa agência imobiliária divina, nada disto interessa: um livro místico com 2500 anos assegura, num diálogo entre Deus e Abraão, que a terra prometida não é para qualquer um.

Ler mais

As mãos de Víctor Jara

11 de Setembro de 1973. Avançava, Santiago adentro, o golpe militar fascista financiado pela CIA – e antecedido por um bloqueio económico – que levaria Augusto Pinochet ao poder. Ao longo dos 17 anos que se seguiram, muitos foram perseguidos, mortos, torturados, presos ou exilados por se oporem à ditadura militar, fruto do famigerado Plano Condor, que se propôs, através da repressão, a desmantelar quaisquer tentativas de construção do socialismo, na América Central e do Sul, introduzindo ainda políticas de mercado livre cujas nefastas consequências se vêem ao longe.

Ler mais

Feminismo Liberal, Feminismo-L’Oréal

Façamos a regra de três simples – se, como disse Chico Mendes, “ecologia sem luta de classes é jardinagem”, o que será o feminismo sem ela? Um equilíbrio um tanto mafioso entre a manutenção do sistema capitalista e não fazer a depilação; acabar com a desigualdade, mas só um bocadinho; qualquer coisa entre um hobby e um estado de espírito, ou, mais recentemente, uma parceria da marca L’Oréal Paris com a ONG Right to Be. Pois não haveria certamente melhor parceira do que a maior empresa de cosméticos do mundo, no combate ao assédio sofrido pelas mulheres em locais públicos. Portanto, a ver se nos entendemos: nadando em lucros milionários, a L’Oréal Paris amanheceu generosa e decidiu começar uma acção de formação gratuita (vejam só!) para acabar de vez com o assédio. Sob a condição de poder continuar a explorar as suas trabalhadoras, naturalmente. E sem o relacionar com qualquer outro problema social, como é óbvio, que isso já era demais. É disto que o feminismo liberal vive, enquanto as mulheres reais, as que trabalham, continuam a sofrer na pele a brutalidade do capitalismo selvagem, que este ajuda a perpetuar. 

Ler mais

O poder revolucionário de uma ideia em Bento de Jesus Caraça

Natural de Vila Viçosa, onde nasceu na Rua dos Fidalgos, a 16 de Abril de 1901, Bento de Jesus Caraça, filho de trabalhadores rurais, foi um matemático, estatístico, demógrafo e professor universitário português, comprometido com a luta antifascista e a democratização da cultura e do ensino no seu país. É uma figura ímpar na cultura portuguesa, lembrado pelo seu exemplo de integridade e coerência. Militou no Partido Comunista Português, recusando a separação entre actividade intelectual e actividade política, e foi um dos fundadores do Movimento da Unidade Nacional Antifascista (MUNAF) que, posteriormente, daria origem ao Movimento de Unidade Democrática (MUD). Perseguido pelo regime, preso pela PIDE e demitido, em consequência, do lugar de professor catedrático no ISCEF, nunca abandonou as suas convicções. No dia em que se celebram os 90 anos de A Cultura Integral do Indivíduo, urge recordar Bento de Jesus Caraça como o verdadeiro marxista que era, sedento de transformar o mundo, ao invés de se limitar a descrevê-lo. Caraça morre aos 47 anos, a 25 de Junho de 1948, em Lisboa, porém, o vasto legado que nos deixa mantém vivos os ideais de liberdade.

Ler mais

O romance polifónico do fascismo português

Ilustração de Gonçalo Salvaterra

Um ex-ministro do fascismo, o seu filho covarde, a criada que continuadamente viola, a governanta que o venera, um veterinário pedófilo que estaciona e se baba à entrada da Escola Secundária; a filha ilegítima parida no meio da palha que nem os animais quiseram comer e entregue, depois, a uma retornada de Angola; a jovem amante em quem projecta a mulher que o abandonou, a terapeuta ocupacional que cuida de si no final da vida; uma espiral doentia de escárnio e maldizer e, como se não bastasse, muito mais. É através de uma viagem, feita pelo Lobo Antunes-psiquiatra, ao âmago da maldade e da mesquinhez de 19 personagens, que o Lobo Antunes-escritor traça o mais visceral retrato do fascismo português, sentando num divã feito banco dos réus, estas personagens fictícias e tão tenebrosamente reais, em O Manual dos Inquisidores.

Ler mais

Fausto: Para lá do que é eterno

Fotografia de Egídio Santos, captada na Festa do Avante! de 2015.

A 26 de Novembro de 1948, nascia-nos Fausto Bordalo Dias a bordo do navio Pátria, em pleno Oceano Atlântico, em alto-mar, por cima das águas. E parece que não podia ser de outra maneira. A 19 de Novembro de 2022, o seu disco-epopeia Por este rio acima, inspirado nas viagens de Fernão Mendes Pinto, completava 40 anos de pimenta e maravilha. Foi na amplitude de uma Aula Magna transbordante de emoções que centenas de navegantes se reuniram para os celebrar, como quem celebra o aniversário de um melhor amigo comum. No dia 20, voltariam outros tantos a navegar rumo ao edifício da Reitoria da Universidade de Lisboa, já que a primeira data esgotara num piscar de olhos. Também não podia ser de outra maneira.

Ler mais