Autor: Ivo Rafael Silva

O Espaço Chegan

Não tivesse havido aquela votação expressiva num partido de extrema-direita – que alguns inocentemente continuam a tomar por «zanga com o sistema» -, os vários «senadores» da direita alegadamente tradicional e moderada, não teriam saído da solidão das suas cavernas para recuperar, de cara destapada, certas bandeiras reaccionárias já superadas pelo progressismo (possível) das mentalidades e das democracias políticas nas últimas décadas. Esses transportadores de antiguidades ideológicas, resquícios mais mortos que vivos da decrepitude de outros tempos, sentiram que o «ambiente» que, entretanto, se instalara no país acaba por ser, pois, bastante propício, acolhedor, bafiento o suficiente para a sua mensagem prosperar sem grande alarido. Sabendo que, pelo menos, 20% da população será chão fértil às sementes das suas velharias mentais, lá procuram lançar à terra lavrada os preceitos castradores da liberdade e das liberdades conquistadas (a ferros), sob pretexto de uma moralidade peçonhenta que se esqueceu de morrer. Fazendo-o nas barbas de Abril, à laia de provocaçãozinha subtil, vêm mostrar de forma evidente o quão perigosos são os tempos em que vivemos.
Ler mais

E no entanto ela estupidifica-se

Fica desde já a nota e em jeito de aviso prévio: se alguém, por acaso, estiver aqui à espera de um artigo que tente normalizar, inocentar ou desculpabilizar, directa ou indirectamente, o 1 milhão de votantes – e nem que fossem 50 milhões… – num partido de extrema-direita em pleno século XXI, pode, desde já, tirar o cavalinho da chuva. Se alguém estiver à espera da narrativa ou teoria de que «isto é só gente indignada» ou «revoltada», pura na sua sacrossanta ingenuidade, que saiu de casa, naquele dia, para ir «inocentemente» colocar um voto num partido de gente que acha que o lugar dos pretos é em África, que o dos gays é numa ala psiquiátrica, que o das mulheres é na cozinha, que as vacinas são chips e/ou transformam pessoas em jacarés, que os ciganos devem ser deportados, ou de que no tempo do fascismo, da fome, da censura, da polícia política «é que isto era bom», pode já parar por aqui. Porque aquilo que aqui se dirá, ou escreverá, a respeito de o que se passa não apenas em Portugal, mas em muitas outras latitudes do mundo actual é que não há outra forma objectiva, concreta e factual do que chamar «estupidificação colectiva» àquilo que é, de facto, «estupidificação colectiva», ou «fascização crescente e progressiva das sociedades» àquilo que é, indiscutivelmente, a «fascização crescente e progressiva das sociedades».

Ler mais

Chegará o dia das surpresas?

Mas quando nos julgarem bem seguros,
Cercados de bastões e fortalezas,
Hão-de cair em estrondo os altos muros
E chegará o dia das surpresas.

José Saramago

Alguém já decidiu o resultado das próximas eleições por nós. E os ecos dessa decisão já estão por toda a parte. Nos jornais e televisões, nas redes sociais, nos comentadores e nas sondagens, nos próprios beneficiados que aproveitam a onda e embalam nela. Já se sabe que a maioria é esta ou aquela, que partido A vai coligar-se com B, que partido A governará sozinho, que partido B fará acordo ou não fará acordo, que o cenário será este ou aquele, que este vai ganhar e aquele vai perder, e tudo com a mais cristalina das certezas. Apesar de variarem os rostos, variarem partidos e coligações, maiorias ou minorias, há um «corredor» e um destino para o qual inevitavelmente já nos atiraram e do qual não vamos conseguir escapar.

Ler mais

O Chão Salgado de Marcelo e o Azar dos Távoras dos Portugueses

Ontem à noite, Marcelo saiu do Palácio para um passeio a pé por Belém. A semana tinha começado mal – com notícias que davam conta de suspeitas graves de pedidos de cunha –, a que acresceu uma inenarrável conversa com um diplomata palestiniano, da qual saiu pior que chamuscado. Mas agora, ao que tudo indicava, a semana terminava da melhor forma, até pela oportunidade de secundar as situações anteriores. Costa e o governo PS caíam com estrondo, ainda por cima num caso que envolvia o ministro Galamba, que tinha sido «demitido» por Marcelo mas mantido por Costa.

Ler mais

CTT privatizados: sempre a piorar!

Não era preciso que a ANACOM viesse confirmar – outra vez! – aquilo que os portugueses já tinham percebido. É daqueles casos em que os indicadores estatísticos não são essenciais para se perceber o que está em causa. Qualquer pessoa que recorra aos Correios constata, cabalmente, estar perante a decadência de um serviço outrora fidedigno e competente, mas hoje quase completamente despedaçado por uma gestão privada dúplice: por um lado, eficaz a retirar dividendos para o bolso de quem a gere; por outro, incompetente a prestar um serviço que continua a ser essencial e insubstituível. O Governo PS nada faz… porque não quer.

Ler mais

É disto que Marcelo Costa

Foto: Daniel Rocha/Público

O surgimento de uma sondagem que desse, finalmente, vitória ao PSD, era o último sinal de que Marcelo necessitava para pôr em marcha a fase ofensiva de um plano há muito arquitectado/desejado. A contestação das ruas, a fúria dos professores, a insatisfação com salários e pensões, o aumento do custo de vida, ou a significativa intensificação da precariedade laboral, são “critérios” pouco relevantes para Marcelo na sua origem e essência, mas que acabam por “contar” quando são úteis, de alguma forma, para visar ou desgastar o governo. Marcelo percebe “de que lado sopra o vento”, e como “o vento” se alia à cor da camisola, está na hora de, julga ele, assumir a liderança da oposição e, sobretudo, a dianteira mediática do ataque ao governo. Só quem não conhece Marcelo – e o seu longo currículo de profissional da maquinação de bastidores, de oportunismo e do intriguismo político – é que estranha esta situação, que é apenas e só resultado dessa crónica patologia de apego e dependência de mediatismo, de centro das atenções, em estreita aliança com a sua mal disfarçada partidarite.

Ler mais

A aposta nos comboios… que os privados hão-de fabricar

Chega a ser cada vez mais inacreditável como, à laia de pedronunosantismo e propaganda, este governo consegue aqui e ali granjear fama de «amigo dos comboios». Já aqui tínhamos recordado como, historicamente, o PS se tornou no maior carrasco da ferrovia depois de Cavaco Silva, sendo responsável directo pelos encerramentos das oficinas da EMEF de Coimbra ou da Figueira da Foz, do fecho dos ramais da Lousã, da Figueira da Foz, da Linha do Corgo, entre outros, ou como quando, em 2017, entregou de mão beijada a CP Carga ao sector privado (Medway). Vimos também como, em resultado das políticas seguidas por vários e sucessivos governos, entre 1988 e 2009, Portugal perdeu 43% dos passageiros de comboio, sendo que, nesse período, o PS governara duas vezes com António Guterres e uma com maioria absoluta de José Sócrates.

Ler mais

Uma Espiral de Aldrabice

Dez demissões em nove meses. Uma maioria absoluta provadamente «fortíssima». Um PS abalado aqui e ali pelas movimentações tectónicas de «casos e casinhos» que, afinal, são qualquer coisa mais do que pareciam e diziam ser de início os seus responsáveis políticos, e muito particularmente, António Costa. Só que o problema fundamental não é, porém, a mudança de nomes ou de figuras neste ou naquele posto, por mais sucessivas que sejam tais alterações de gabinete. O problema é a espiral de aldrabice, o hábito especial que este governo tem de mentir sobre todo e qualquer assunto. O problema é o mal que, com a mentira, este governo está de facto a fazer ao país.

Ler mais