Sinto uma coisa pior do que vergonha. Sinto repulsa de Rui Tavares

Nacional

“Senti uma coisa pior do que isso, senti a vergonha alheia dos outros.” (DN)

Esta entrevista finalmente demonstra a total falta de carácter de alguém que não tem princípios, não tem ideologia, não conhece nada a não ser uma ambição desmesurada.

Rui Tavares é o exemplo acabado do homem branco bem nascido e privilegiado. Sempre rodeado dos seus amigos influentes, vivendo à custa da imagem publicamente criada sem que lhe seja conhecida densidade que construa essa imagem, na primeira hipótese que teve de se apropriar de dinheiros públicos para seguir a sua agenda pessoal assim o fez, sempre com a bênção dos seus amigos, essa elite bem pensante que escreve nos jornais e fala na televisão.

Rui Tavares agrada as pessoas do meu “estrato”: a burguesia licenciada, cultivada, que lê o público, que pensa a sociedade, que vive relativamente sem dificuldades. “Eu sei que tu não gostas dele”, repetem, e eu repito, não é uma questão de não gostar. Rui Tavares é perigoso, não é e nunca foi de esquerda. No Parlamento Europeu posicionou-se muitas vezes bem mais à direita do CDS.

É o epíteto do liberalismo.

Rui Tavares esteve calado até agora por um motivo muito simples: viu na mulher negra e gaga um lugar no parlamento e uma subvenção. Mais uma vez, o poder. Deixou que tudo avançasse sem nunca se envolver sabendo exactamente o que acontece aos voluntaristas, particularmente a quem nunca esteve no parlamento e não lhe conhece as regras e os meandros. Não é difícil de perceber que a campanha em Lisboa foi organizada e executada por um grupo de pessoas que muito provavelmente nunca tinha feito qualquer campanha e que não passava de um grupo de amigos ou de pessoas que acreditava numa candidata – de estrutura aquilo nada tinha (dica: quem inaugura um outdoor? Quem faz um vídeo de um hino com o nome de uma candidata e homens aos beijos? Quem na noite eleitoral deixa as paredes do palco cair? Continuo?)

A partir daí foi fácil. O inesperado aconteceu: a eleição.

Foi só tirar o tapete e deixar que a inexperiência – com a preciosa ajuda da maldade dos amigos jornalistas e comentadores de serviço empolassem todas as situações (muitas delas com explicações demasiado simples) -tomasse conta do assunto. Ninguém seria tão escrutinado. Era uma questão de tempo.

Agora, como bom patriarca, tem vergonha. Está incomodado. Enquanto seguramente em casa se regozija porque tudo correu exactamente como planeado (e este “em casa” não é inocente).

Amanhã será Fernanda Câncio horrorizada, depois virá um outro qualquer e ainda mais uma do expresso a comparar Joacine e Isabel dos Santos.

Enquanto isto, dinheiro público subvenciona Rui Tavares quer através do seu partido quer no canal público. Um indivíduo que defende guerras no médio oriente, que apoia a política belicista dos EUA. Um indivíduo que sobrevive de dar a sua opinião sobre o mundo e, como já se viu, de atraiçoar de forma abjecta tudo e todos em nome do poder.

Ele sente a vergonha dos outros. Eu sinto repulsa dele.

14 Comments

  • jose

    07/02/2020 às 12:32

    O que é importante é o falso rei de Portugal http://www.reifazdeconta.com

  • Nunes

    24/01/2020 às 14:16

    Deste processo todo, vimos como um homem sem carácter – Rui Tavares – se limpa com a lama e a porcaria de uma comunicação social que ele próprio obedece e se submete. Cumpre escrupulosamente o papel do bom professor, cheio de esqueletos no armário. Infelizmente, as imagens dizem uma coisa e os jornais outra. No final e para grande surpresa, ainda vemos alguns ignorantes (totalmente desinformados) mas aduladores deste tipo de gente que há em sociedade vir exigir moderação nas palavras. O sinal dos tempos é penoso, mas todos aqueles que são contra este tipo de espectáculo degradante continuará a lutar e a pedir que pessoas, como o Rui Tavares, simplesmente desapareçam do espaço político.

  • Fernanda

    23/01/2020 às 9:59

    Eu não tenho vergonha alheia, tenho vergonha de si que destila ódio e inventa para acusar Rui Tavares.

    • Nunes

      23/01/2020 às 14:20

      Mas quem pode defender Rui Tavares depois da hipocrisia que revelou diante Joacine Katar Moreira? Só alguém que não se mantém informado(a). O vosso comportamento diante este caso está igual a uma beata, salazarista e votante no PSD.

  • Susana

    21/01/2020 às 14:16

    Texto absolutamente vergonhoso, carregado de ódio e ressentimentos.

    • Maria Inês L. R. Aguiar

      21/01/2020 às 14:25

      Concordo e quem o escreveu está carregado de ódio

    • Nunes

      21/01/2020 às 14:54

      Com razão! Já viram como Rui Tavares usa do caso Joacine Katar Moreira para ser ouvido e apreciado diante do «DN» perante jornalistas que têm ar de agentes da Gestapo? Tenho vergonha de pessoas como o Rui Tavares.

    • Unknown

      21/01/2020 às 16:04

      O texto é muito bem escrito, e caracteriza a realidade, quem não gosta,identifica-se com essa realidade vergonhosa,

  • Radagast

    21/01/2020 às 12:49

    há muito tempo que não via um texto tão asqueroso, nojento e aldrabão. Mentiroso e homofóbico. Parece escrito pelo Mário Machado.

    • Nunes

      21/01/2020 às 13:08

      É normal os aldrabões e asquerosos chamarem aos outros aquilo que são no fundo.

    • J.Carlos

      27/01/2020 às 18:20

      Tens razão,eu confesso que já simpatizei mais com o Rui Tavares,mas este artigo é mau de mais,eu acredito que o Rui está arrependido.

  • Francisco

    21/01/2020 às 12:33

    Subscrevo, por inteiro. Vómitos. Sinto vómitos de todos os Rui Tavares (e conheço vários): são todos massa do mesmo alguidar, como se diz cá para os meus lados.

  • Nunes

    21/01/2020 às 9:42

    Enquanto isto, Rui Tavares continua a capitalizar o interesse da comunicação social que faz notícias para os ignorantes que nada entendem de política e podem achar graça ao seu partido. Não há dia que o «Livre» não apareça na televisão ou num jornal.

    • Preciosa Pereira

      21/01/2020 às 15:32

      Mais que Verdade !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *