Aos renegados

Nacional

Aos que renegam o Marxismo, que não aqueles que o fazem por uma opção de classe, concedamos: há algo de pateticamente feliz no acordar todos os dias a pensar que a história acaba de começar. Eles são os que são surpreendidos “pela crise actual”, são os que descobrem em artigos de opinião de revistas internacionais o mundo “da agiotagem” e que ainda mal refeitos do espanto nos apresentam reflexões de “como sair da crise” em que, em maior ou menor grau demonstram a sua cândida ingenuidade.

A esses dizemos:

“Entre os povos que provêm da Idade Média, a propriedade tribal desenvolve-se, através de várias etapas — propriedade fundiária feudal, propriedade móvel corporativa, capital manufactureiro — até ao capital moderno, condicionado pela grande indústria e pela concorrência universal, até à propriedade privada pura, que deixou para trás toda a aparência de uma comunidade e excluiu toda a intervenção do Estado sobre o desenvolvimento da propriedade. A esta propriedade privada moderna corresponde o Estado moderno, o qual, gradualmente, por meio dos impostos, foi adquirido pelos proprietários privados e, por meio das dívidas públicas, ficou completamente à mercê destes, e cuja existência, nas subidas e quedas dos papéis do Estado na Bolsa, ficou totalmente dependente do crédito comercial que os proprietários privados, os burgueses, lhe concedem. Porque é uma classe, e não já um estado [ou ordem social], a burguesia é obrigada, desde logo, a organizar-se nacionalmente, e não já localmente, e a dar ao seu interesse médio uma forma geral.”

Marx e Engels, A Ideologia Alemã, 1846