Nos teus sapatos

Nacional

Olha, eu fazia assim e assado, cozido e frito. Se fosse comigo? Havias de ver. Então a gaja mija pelas pernas abaixo só porque o patrão não deixa ir ao quarto-de-banho? Eu ia e ainda espetava dois bananos no patrão ou no capataz ou no encarregado. Havia de ser comigo, nem que tivesse de pedir esmola na rua. E estes gajos a pedir na rua? Gajos novos, com bom corpo, é mas é pô-los a limpar matas, que não falta trabalho. Querem viver de subsídios e nós a pagar, bando de malandros. Conheço um que não quis ir trabalhar porque ganha mais de subsídio. Ia ganhar o salário mínimo, não chega, diz ele. Diz que não tem transportes. Sabe é muito, claro. Também eu queria andar ao alto. Ir às feiras, comprar coisas à ciganada. Esses são outros, com grandes carros e casas e a gente a pagar. Viste o BMW novo do patrão? Que máquina, pá, aquilo até voa.

Este ano não há aumentos, diz que é por causa da carga fiscal. O gajo da contabilidade está à rasca, parece que teve de meter não-sei-o-quê numa offshore e um gajo da internet descobriu. Estes cabrões do governo e dos deputados é tudo a mesma merda. Querem é tacho, era cortar para metade que chega bem. Razão tem aquele gajo que fala na TV, um ex-deputado naquele programa que tem com um outro que era ministro. A gente precisa é de gajos assim, pá, sem medo de falar as verdades. Eu não voto, é tudo a mesma merda. Ai eu voto sempre, tenho um gajo lá metido e voto nele, pode ser que caia algum. Pagam uns jantares e não sei o quê. Agora meteram um preto lá no trabalho, vai varrer. Não sou nada racista, também tem lá uma preta nas limpezas. Quando chego já lá está, de manhã, e aquilo tudo limpo. Eu não sou racista, mas se ela limpasse a casa dela como limpa aqui, o bairro não tinha aquele aspeto. É aquele que se vê da auto-estrada. Todo cheio de fios de puxadas e parabólicas. Para isso tem dinheiro, para ter tv cabo. Ela diz que sai daqui e limpa em mais duas casas, mas eu desconfio. Uma gaja que trabalha assim, se fosse ela estava rico. Calhou um chinês na turma da minha filha. É preciso cuidado com as máfias desses gajos. O gajo nem português fala, que vá para a terra dele. Tenho algum medo. Eu se fosse ele não ia assim para um país sem saber nem a língua, têm de respeitar a nossa cultura. Quem? O meu avô foi emigrante em França. Foi preciso muita coragem para saltar o muro naqueles anos, havia fome e miséria. A minha a avó também foi. Ela nas limpezas. Tinha três trabalhos, não percebia nada do que diziam os gajos de lá. Olha, amealharam algum que deu para mandar para cá. Aprenderam tudo sozinhos, é de dar valor. Mas no tempo de Salazar tínhamos as contas certas, o país era riquíssimo, cheio de ouro. O 25 de Abril é que estragou tudo. Matou? Matou quantos? Só quem não cumpria a lei, claro. A lei é a lei, pronto. Uma pessoa tem de cumprir a lei, sempre a lei, se não é o caos. É preciso é lei. Mas isso não impediu nada. Mas matou quantos e onde? 300 em 48 anos? Isso comparado com a China e a Rússia não é nada. Olha Cuba. Que embargo? Isso não explica nada. As ditaduras são todas iguais. Os gajos ainda agora lá na Europa disseram. Viste os gajos dos camiões, no Verão? Olha que a gente sem combustível não faz nada. Um gajo assim é que dá valor. Mas é tudo igual, o Salazar matou quem? Era a lei. Se cumprissem a lei não morriam. Olha aquela Maria Eufémia ou Catarina Eufémia ou lá o que é. Foda-se, vai para uma manif e não deixa os três filhos em casa? Pôs-se a jeito, claro. Sabia qual era a lei. Eu no lugar dela não ia. Matou? E os outros não mataram? É tudo igual, esquerda, direita, volver. Mais os gajos dos sindicatos, mamões, não trabalham, nunca trabalharam. Querem é viver à conta. Olha a Autoeuropa e os estivadores, que quase que destruíam o país. Eu vi na tv aquele gajo de economia a falar. O que aparece nas fotos dos jornalistas que iam de férias à pala do BES. Fazem eles bem, isto está bom é para quem se desenrasca. Dinheiro para os bancos nunca falta, bandidos. Ninguém vai preso, se fosse por roubar para comer já estava lá dentro. E aquele que roubou umas latas de atum e foi condenado? É a lei, claro, é para cumprir. Mais valia pedir. Eu no lugar dele pedia.

Desde que estejam calçados nos meus sapatos, os meus pés vão caber sempre nos teus.

3 Comments

  • paulo fernandes

    22/11/2019 às 14:10

    Este comentário foi removido pelo autor.

  • paulo fernandes

    22/11/2019 às 14:08

    muito bom ,ja sabes que eu só gosto do texto pela parte que toca ,,,,

  • AI CARAMBA!

    21/11/2019 às 19:47

    É difícil lidar com TUDO isto, é!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *