Tavarish e o seu pequeno mundo

Nacional

“Por acaso, foi uma ideia minha”, dizia, em 2015, Passos Coelho sobre a utilização de fundos de pensões gregos para capitalizar a banca daquele país. Quatro anos depois, Rui Tavares, o Pequeno Gigante da Esquerda, revela, numa entrevista ao portal Notícias ao Minuto que, por acaso, “houve Geringonça porque fizemos muito trabalho para isso” e, numa entrevista à Lusa, no mês passado, considera-se mesmo pai espiritual da atual situação governativa: Rui Tavares assinala, porém, que os dirigentes do Livre sempre foram conhecidos como “os pais espirituais da geringonça.


Obviamente, o país esperava pela ideia de Rui Tavares e já imagino, nas reuniões bilaterais entre os partidos, os suspiros e agradecimentos a Rui Tavares, virados para os céus pelo envio do novo messias, para ser possível inverter o ciclo de miséria que estava a ser traçado por PSD e CDS. Importa relembrar que Rui Tavares saiu de um partido para fundar um partido para unir os partidos.

Na mesma entrevista, Tavarish afirma que “todos os partidos instalados na política portuguesa têm esse medo [do Livre]”. E é verdade. Há noites em que não se dorme, à espera que Tavarish volte a dar-nos, por exemplo, tarefas urgentes para antifascistas, porque andamos todos aqui à nora e isto é um fenómeno novo, nunca antes visto.

Tavarish vai mais longe e refere mesmo que “é verdade que outros que tentam empurrar o Livre para as boxes, que tentam que ele não seja ouvido, que tentam ele não possa falar ao grande público, têm muito medo disso”. Tavarish é dono de um partido que teve em 2015, em coligação com o Tempo de Avançar, 0,73% dos votos (39.340).

Em 2014, nas Europeias, valeu 2,18% (71.602 votos). E queixa-se Tavarish de que está subrepresentado na imprensa. O Rui Tavares sozinho tem mais presença mediática do que todo o PCP junto. Vamos ao absurdo de o facto de uma dirigente do Livre abrir um restaurante ter sido notícia, com o seguinte título: “Safaa Dib. A dirigente do Livre abriu um restaurante libanês“. Estão a imaginar o título “Manuel da Silva, o dirigente do PCP que abriu um restaurante”, não estão?

À boleia da TSF e do programa “Uma questão de ADN“, a mesma dirigente esteve, na passada semana, a falar sobre o seu projeto. Obviamente que o facto de ser candidata à Assembleia da República não tem nada a ver com este acompanhamento mediático e o seu lançamento. 


No entanto, Tavarish queixa-se e, mais grave, acha que mete medo seja a quem for, à esquerda. É esta bolha urbana de quem se move em determinados meios que não só prejudica a esquerda como, no caso, o meio da esquerda. Que acha que, mesmo com a presença mediática que tem, merece mais, porque é o Rui Tavares. É este o seu pequeno mundo, e os seus devaneios sobre uma espécie de federalismo europeu, que transpõe para aquilo que é a realidade que o rodeia. E só essa. Lá fora, o mundo é outro. Tavares segue e vai ao colo da imprensa sem perceber que não anda pelos próprios pés.

5 Comments

  • Jose

    11 Abril, 2019 às

    Pois o rapaz tem razão.

    Não esperou por levar nos cornos em eleições para dizer ao que vinha, como outros que puseram a frustração a marinar em geringonças envergonhadas e mal-amanhadas, assinadas de pé e à pressa

    • Nunes

      12 Abril, 2019 às

      Será que ainda não percebeste que não fazes parte deste colectivo? Será que ainda não percebeste que não tens piada? Será que ainda não percebeste que és cretino? (E para além de cretino… estúpido, imbecil, burro, palerma…)

    • Jose

      12 Abril, 2019 às

      Ai, o colectivo…
      Tiraste o passe?

    • Nunes

      14 Abril, 2019 às

      Um bom manicómio, José, para ti e para a tua mãe.

  • Nunes

    11 Abril, 2019 às

    Qualquer dia, é membro do PS. A sua fotografia fica bem ao lado de Santos Silva.

Comments are closed.