Não tenhamos pressa

Nacional

Este não é um texto grande, nem um grande texto. Afinal, não há palavras que façam jus à pessoa que Saramago foi. Mais do que uma homenagem, este texto é uma pequena ode a todos os que, gostando mais ou menos de Saramago, concordando mais ou menos com o seu pensamento ou forma de agir, olham o mundo e não o compreendem. Diria mais, a todos aqueles que, olhando o mundo, sentem crescer em si uma vontade inabalável de erguer os seus próprios destinos e que veem no próximo, no outro, no amigo ou no camarada, a companhia certa para a mudança.

“Ora, a solidão, ainda vai ter de aprender muito para saber o que isso é, Sempre vivi só, Também eu, mas a solidão não é viver só, a solidão é não sermos capazes de fazer companhia a alguém ou a alguma coisa que está dentro de nós, a solidão não é uma árvore no meio duma planície onde só ela esteja, é a distância entre a seiva profunda e a casca, entre a folha e a raiz, Você está a tresvariar, tudo quanto menciona está ligado entre si, aí não há nenhuma solidão, Deixemos a árvore, olhe para dentro de si e veja a solidão, Como disse o outro, solitário andar por entre a gente, Pior do que isso, solitário estar onde nem nós próprios estamos.”

in O Ano da Morte de Ricardo Reis

Este excerto que escolhi para iniciar o texto (de O Ano da Morte de Ricardo Reis), é para mim o seu melhor e mais importante livro. Um livro que não se resume apenas a mais um numa estante, nem a umas meras páginas, tão pouco a uma capa ou uma contracapa. O Ano da Morte de Ricardo Reis tem palavras que ferem, são balas que rasgam, que rajem para fora das margens e atingem todos aqueles que intentam o apagamento da História – que querem fazer esquecer a corrupção das elites do fascismo, as histórias das suas vítimas, a caridadezinha à mistura das políticas de pobreza, a hipocrisia do regime, a Guerra Civil Espanhola… – Não vale a pena enumerar, elas afrontam e enfrentam todos aqueles que “se contentam com o espetáculo do mundo”.  Um livro sobre 1936, escrito em 1984, lido em 2021 que contempla a atualidade, faz-nos questionar o passado e querer forjar o nosso futuro, assim como outrora outros fizeram.

Noventa e nove anos. Começo das comemorações do centenário de uma vida que não se encerra nela própria. E nós, os que vamos ficando e deambulando, não comemoramos só a vida, comemoramos a sua extensão, o que fica dela, o que não precisa de um coração a bombear sangue para viver. Comemoramos aquilo que Saramago, um escritor de Abril, nos deixou, aquilo que, mais do que a sua vida, nos ofereceu e contou – a vida dos outros. Vidas que são as nossas, as dos trabalhadores dos campos, das cidades e dos mares, daqueles que fazem a roda da História girar. Comemoramos os questionamentos, as dúvidas, o desconcerto e a inquietação, dele e nossos .

Este é o papel que, tal como no passado, Saramago possui. Na atualidade, em pleno mundo globalizado onde a (des)informação nos assalta, o ser humano continua alienado, como um cego que vendo não vê. Saramago põe-nos à prova, pelos sentidos que a arte e a cultura despertam em nós, desafiando-nos a ver além das formas das sombras que nos rodeiam, ver além da névoa branca que nos cega e nos impede de, mais do que viver a vida, viver o mundo e a realidade. Isto é, também, do mais jovem que ele transporta até nós: uma chama imensa, que não se apaga, que se alimenta daquilo que os olhos veem e não veem e que faz crescer a vontade do leitor de transformar , despindo-o do seu egoísmo e do seu egocentrismo.

Fazem 99 anos do operário, não… do operário-escritor, ou talvez do apenas escritor, do fruto, da árvore ou quiçá da floresta toda que seria o Saramago. Ele é tudo isto e muito mais, é o murro no estômago, é o despertar, é a inconformidade, é o desassossego, a deambulação, é as veias da cidade e o suspiro da aldeia, é Portugal e Espanha, a Palestina ou Moçambique e até o mundo. Ele os seus livros são no fundo um pouco de cada um de nós. É por isto, e por muito mais do que aquilo que as meras palavras podem expressar, que Saramago é importante e faz falta. Não basta apenas comemorar a sua vida ou a sua obra, é preciso comemorar a história da luta que ele nos conta e acima de tudo, comemorar todos os de nós, que perante o espetáculo do mundo, não se deixam amordaçar. Não temamos sonhar, não temamos transformar, com as nossas próprias mãos, o mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *