Autor: António Santos

Dicionário de confusões conceptuais

Há uma guerra pelas nossas palavras. Elas são os instrumentos com que explicamos o mundo e a história ensina-nos que só o consegue transformar à sua vontade quem o consegue explicar. Da mesma forma que os negreiros tinham o cuidado de separar os escravos em grupos que não falassem a mesma língua, o capital verte milhões em campanhas de confusão conceptual, na promoção de novas categorias, na erradicação de certos vocábulos e na substituição de umas palavras por outras, aparentemente com o mesmo sentido. Este dicionário é um breve contributo para desfazer algumas das maiores confusões semânticas, conceptuais e ideológicas dos nossos tempos.

Ler mais

Z: Zelensky

Z: Zelensky

A guerra canonizou-o. São Zelensky nem teve subir a uma azinheira para aparecer aos portugueses como o presidente perfeito que nunca tivemos: corajoso, altruísta, humilde e honesto; um marido invejável na corrida ao Prémio Nobel da Paz; material incorruptível para fronhas e velinhas à prova de extremistas e oligarcas. Tudo muito lindo, mas devagar com o andor que o santo é de barro.

Ler mais

Y: youtube

Y: Youtube

Corriam os idos de 2006 quando a revista Time convidou o público, investido digitalmente com o poder da web, a decidir democraticamente quem seria a “pessoa do ano”. Dada voz à internet, a internet falou e elegeu, com 35% dos votos, Hugo Chávez. Mas, em vez do democraticamente eleito Hugo Chávez, nesse ano, a pessoa do ano foste «TU». O florão numa janela de Youtube, num ecrã de iMac, na capa da revista, vinha acompanhado da epígrafe «Sim, tu, tu controlas a idade da informação. Bem-vindo ao teu mundo». Estava dado o mote para a democracia na era das redes sociais.

Ler mais

Olá TVI, a portuguesa na Ucrânia é neonazi

A TVI acaba de transmitir a entrevista a uma enfermeira portuguesa “integrada num pelotão internacional”. Uma heroína sem medo da morte “lutando com muito amor, com muita vontade”. Só há um pequeno problema: “a única portuguesa na linha da frente” que a TVI arranjou é uma conhecida neonazi.

Chama-se Ana Cristina Cardoso e foi para a Ucrânia com o fascista cadastrado Mário Machado. Foi militante da organização neonazi Nova Ordem Social e uma das organizadoras da infame marcha nocturna das máscaras e das tochas, à moda do KKK, em frente à sede do SOS Racismo.

Ler mais

Justiça portuguesa ajuda neonazis a voltar a matar

Foi assim que um juiz português justificou a alteração da medida de coacção do conhecido e cadastrado neonazi Mário Machado para ajudá-lo a ir combater para a Ucrânia: “assim sendo, e considerando a situação humanitária vivida na Ucrânia e as finalidades invocadas pelo arguido para a sua pretensão, o arguido poderá deixar de cumprir a referida medida de coacção”.

Mário Machado, um dos assassinos de Alcindo Monteiro, é um criminoso condenado por várias agressões, roubo, sequestro, coacção, posse ilegal de arma, extorsão, discriminação racial, difamação, entre muitos outros crimes. A justiça portuguesa acaba de validar “as finalidades invocadas pelo arguido”, ou seja, juntar-se a grupos armados de extrema-direita, obter treino e experiência militar e voltar matar. É essa “a sua pretensão”.

Não passarão.

Ler mais

Um caminho escorregadio

O PCP escolheu ser cúmplice de Putin. Enquanto um povo estava a ser invadido e massacrado, decidiu pôr-se com enquadramentos, contextualizações, racionalizações e outras formas inaceitáveis de contemporizações. Numa guerra contra o mal só há dois lados e quem não está contra o inimigo está com Putin. Sim, porque é muito fácil racionalizar e contextualizar a guerra quando não é a nossa terra que está a ser invadida. A racionalidade dos que, a meio da invasão, pedem o fim da guerra, é própria dos traidores. Sim, os comunistas condenaram Putin, explicitamente até, mas sempre condenando também a NATO; sempre fazendo comparações históricas; sempre invocando golpes de Estado; sempre a pedir-nos para ler o texto de qualquer coisa! Sempre fazendo o jogo de Putin!

Só um avençado de Putin é que viria, neste momento, falar em “paz”. O mundo livre sabe que nem se negoceia com um agressor nem se faz a paz com um louco. Numa guerra mata-se ou morre-se. Matemos e morramos, pois, pela glória de defender o bem contra o mal absoluto! Como disse o presidente-herói Zelensky: “os russos são um vírus”. E com um vírus não se dialoga: um vírus extermina-se. A nossa liberdade depende disso.

Ler mais

X: xpat

X: xpat

Xpat, ou expatriado, designa uma pessoa “com sucesso” proveniente de um país dito “desenvolvido” que, muito glamorosamente, vai experienciar a vida que tinha noutro país. Por ser rica e não gostar de ser confundida com trabalhadores pobres e não-brancos, essa pessoa não gosta de se assumir como “imigrante”, pelo que se auto-intitula expatriada.
Ler mais

W: Wuhan

W: Wuhan

Wuhan: o nome da cidade chinesa ficou inscrito na certidão de nascimento da COVID-19, uma certidão emitida pelo imperialismo ocidental e carimbada com o selo do racismo sinofóbico. O mito do “vírus chinês” cunhado por Trump é uma reedição do “perigo amarelo” do século XIX: mais uma vez, o chinês é apresentado como uma ameaça existencial ao mundo civilizado. Quer seja por comerem morcegos (nós comemos caracóis e tripas), quer seja pelo “regime totalitário” que confinou milhões de pessoas (mais tarde nós fizemos o mesmo), a China, qual judeu internacional, é o bode expiatório da pandemia global.

Ler mais