Autor: Bruno Carvalho

20 anos de terror no Médio Oriente

O maior ataque terrorista da história aconteceu em Hiroxima e Nagazaki, em Agosto de 1945, com a utilização de bombas nucleares contra a população civil de um país já derrotado. Essa é uma das páginas mais negras da história da humanidade. Os Estados Unidos provocaram cerca de 200 mil mortes em apenas dois dias. Não se trata de desvalorizar a tragédia de 11 de Setembro de 2001 mas antes de combater a narrativa mediática que tenta apontar os ataques em território norte-americano como o maior ataque terrorista da história.

O que faz dos ataques, que agora registam duas décadas, marcantes é terem acontecido em solo norte-americano e é terem espoletado consequências no curso da história dos últimos 20 anos. Não é preciso recorrer a teorias da conspiração para afirmar que os mesmos a quem se atribui os ataques foram financiados, treinados e armados pelos Estados Unidos. A Al-Qaeda teve o apoio da Casa Branca antes e depois dos ataques, em diversos cenários de guerra.

Ler mais

O Afeganistão progressista que alguns tentam esquecer

Ninguém consegue ficar indiferente ao que se passa no Afeganistão mas sejamos claros. A tragédia não começou agora e também não começou há 20 anos. Se há quem ingenuamente possa pensar que a política norte-americana naquele país era o de garantir os direitos das mulheres, das minorias e dos trabalhadores está enganado. O único regime que garantiu direitos, liberdades e garantias para as afegãs e para a maioria trabalhadora foi assediado militarmente pelos mujahidins com o apoio de 4 mil sauditas, incluindo Osama Bin Laden, todos financiados, treinados e armados pelos Estados Unidos e pelo Paquistão. A organização e muitos dos homens que atacaram as Torres Gémeas a 11 de Setembro de 2001 são produto das escolhas de Washington.

Ler mais

Quando Fidel Castro levantou um paralítico que era apenas terrorista

Armando Valladares foi polícia da ditadura de Fulgencio Baptista. Depois da revolução cubana, em 1959, protagoniza uma campanha de atentados contra o país. As vítimas foram numerosas e a maior parte era constituída por civis. No dia 4 de Março de 1960, faz explodir o navio belga ‘La Coubre’ e como resultado da acção terrorista morrem 101 pessoas. Nesse mesmo ano, Valladares é preso enquanto preparava um novo atentado. O tribunal condena-o a 30 anos de prisão.

Nos anos 80, com Reagan na presidência dos Estados Unidos, será utilizado para tentar descredibilizar a revolução cubana e inventa um passado de poeta, com o livro Na minha cadeira de rodas. Armando Valladares finge-se paraplégico e lança-se uma campanha mundial pela sua libertação. As autoridades cubanas não cedem.

Ler mais

Mas, afinal, o que se passa na Palestina?

Hoje, Israel decidiu que a Rahaf, de seis anos, e 18 outras crianças palestinianas, já não voltam mais à escola. Acabaram mortas debaixo de bombardeamentos em Gaza. Israel não é um país. É uma máquina de matar. A Palestina não tem força aérea, nem marinha de guerra, nem exército. Trata-se de um genocídio. Aqui fica uma breve explicação do que é o inferno em que vivem os palestinianos debaixo da ocupação de Israel.

Ler mais

Liberdade para Pablo Hasél

Hoje é o dia que o regime espanhol pôs como data para que Pablo Hasél entre na prisão de forma voluntária. O rapper catalão já anunciou que não se vai entregar mas também que não vai escolher o caminho do exílio. O regime espanhol é o Estado europeu com mais presos políticos e o que mais partidos ilegalizou desde o fim da ditadura franquista. Há dezenas de pessoas exiladas actualmente. Sobretudo exilados bascos e catalães.

É também o único Estado que manteve na prisão, durante sete anos, Jabier Salutregi, então o único director e jornalista preso na União Europeia. O único Estado que meteu um ex-secretário-geral sindical, Rafa Díez (LAB), no cárcere durante seis anos e meio e que deteve o actual secretário-geral do sindicato andaluz SAT. O único Estado da União Europeia que prende pessoas pelo que escrevem nas redes sociais ou pelo que cantam.

Ler mais

Assim não, Manuel Grilo.

Isto não pode passar em claro. Vamos aos factos. Reunião da Câmara Municipal de Lisboa. Há um voto em cima da mesa sobre Auschwitz e o holocausto nazi que refere uma condenação do fascismo português. A vereadora do PSD sugere que se substitua a expressão por outras ditaduras e totalitarismos e o vereador bloquista Manuel Grilo aceita a proposta. De seguida, o vereador comunista João Ferreira protesta porque percebe que o objectivo é incluir o comunismo na condenação. Manuel Grilo finge que não mas Teresa Leal Coelho logo de seguida aponta o dedo ao fascismo e ao comunismo. Recordo, estamos a falar do holocausto nazi.

Ler mais

Por que vale a pena votar no João Ferreira

Foi há poucos dias. Depois de escrever uma reportagem sobre o frio que os portugueses passam em casa, um dos entrevistados contou-me que uma mulher havia deixado de dar sinais de vida há poucos dias na aldeia dos seus pais, na Guarda. Cá fora, a vida decorria normalmente, como se nada fosse, mas atrás da porta, o corpo desta mulher estava em hipotermia e só foi descoberto depois de arrombarem a porta.

É assim o debate político. A narrativa mediática é que determina a campanha. Com sondagens para os gostos de alguns, debates que mais pareceram entrevistas e entrevistas que mais pareceram debates, assim como programas com comentadores ligados ao arco do poder, as eleições são um jogo viciado em que não há pé de igualdade entre candidatos. Cá fora, a vida decorre normalmente. Mas atrás dos cortinados, nos bastidores, há um país ligado às máquinas.

Ler mais

És tu que pagas a vida que eles levam

Todos os anos, sem excepção, a direita, do PS ao Chega, celebra o 25 de Novembro. São muitos os que defendem que esta data passe a figurar no calendário como feriado nacional. Porquê? Porque consideram que foi um dia decisivo para derrotar aquilo a que continuam a chamar de ameaça do comunismo.

Ou seja, os militares que impuseram uma pesada derrota sobre o processo revolucionário que amanheceu a 25 de Abril do ano anterior e que acelerou a 11 de Março de 1975 devolveram o país à Europa Ocidental. Foi uma dinâmica lenta porque encontrou pela frente a resistência dos trabalhadores e do povo mas que conseguiu a integração de Portugal na CEE, a privatização da banca, a destruição da reforma agrária e o desmantelamento do aparelho produtivo.

Ler mais