Autor: Rui Silva

Pablo Hasel, o twitter e o ex-monarca Juan de Bourbon

Menos de 24 horas depois da confirmação da pena de prisão aplicada ao cantor de hip-hop comunista Pablo Hasel a imprensa espanhola dá a conhecer novas investigações sobre alegados crimes de fraude fiscal e branqueamento de capitais associados a Juan Carlos I de Bourbon, o ex-monarca espanhol que abdicou a favor do seu filho, Felipe VI. A ironia da coisa: a condenação de Hasel tem por base tweets nos quais o cantor denuncia o carácter retrogrado e corrupto da monarquia espanhola.

Ler mais

Avante ou não Avante: eis a questão.

Eu e o Daniel Oliveira achamos coisas. Há algumas diferenças entre as coisas que achamos e uma das principais é que eu não sou pago para achar. Ora, isto não me obriga 1. a gerir a minha imagem com base no que acho; 2. a achar coisas à força mesmo quando não acho coisa nenhuma. Vem isto a propósito do texto que o Daniel Oliveira dedicou à Festa do Avante!, que é evento que se realiza todos os anos desde há longa data, mas que na actual conjuntura poderá não ser realizado ou realizar-se com alterações profundas de programação, logística e participação. Estou certo de que Daniel Oliveira sabe tanto ou menos do que eu sobre a Festa do Avante! 2020. Ler mais

Não é festa, é luta!

André Ventura, uma das vozes da extrema-direita parlamentar, tem repetidamente referido a sessão solene a realizar na Assembleia da República no próximo dia 25 de Abril como uma “festa”, ridicularizando-a e procurando criar em quem o lê e ouve a ideia de uma espécie de arraial com bebidas à discrição na AR durante um período de confinamento decretado pela própria Assembleia, no quadro do chamado “Estado de Emergência”. Ler mais

O eterno retorno aos Balcãs

Quando no ano de 1999 as forças norte-americanas agiram, sob a capa da NATO, nos Balcãs e em particular na República Jugoslava – ou no que dela restava – fechava-se um ciclo de desmembramento do chamado “bloco de Leste” iniciado em meados dos anos 80 e irreversivelmente consumado a partir de 1989 com a chamada “reunificação alemã”, a dissolução da União Soviética e a integração, progressiva, de países do extinto Tratado de Varsóvia na triunfante “Aliança Atlântica”.

Ler mais

Armando Cañizales na Puente Llaguno

A peça da Antena1 comovia. Invulgarmente longa para um noticiário de rádio começava por contextualizar a intervenção pública de Dudamel. Referia a sua página no facebook pintada a negro, tendo como imagem de capa um rectângulo preto sobre o qual se podia (e pode) ler o nome do jovem músico assassinado: Armando Cañizales Carrillo. A voz da jornalista alternou com a voz do próprio Dudamel, extraída de uma declaração pública divulgada dias antes da morte de Armando Cañizales. Em fundo música, creio que interpretada por uma orquestra do projecto “El sistema” no contexto do qual Dudamel e Cañizales se haviam encontrado. Como conclusão a ideia da inutilidade e da injustiça do crime, o assassinato de um jovem músico durante uma manifestação pacífica contra Maduro e o governo do PSUV.

Ler mais

A Síria, outra vez

Os Estados Unidos da América desencadearam uma acção punitiva unilateral contra a Força Aérea síria, na sequência dos acontecimentos de Idlib que permanecem no fundamental por esclarecer. Cinquenta e nove mísseis foram disparados a partir de dois navios de guerra, tendo como alvo uma base aérea em Shayrat, a sudoeste de Homs.

Ler mais

Rayo digno [actualizado com um post-scriptum]

O barulho das luzes, o som dos euros em movimento e a doentia fixação das massas adeptas nos resultados das suas equipas, que lhes garantem periódico consolo para vidas de trabalho trucidadas pela desigualdade e pela exploração capitalista, impedem muitos de compreender que as “SAD” nasceram do seio dos clubes, e que os clubes nasceram no seio de comunidades, representando digníssimas formas de associativismo popular que se foram modificando e, de certa forma, corrompendo ao longo do tempo. É por isso com comoção que de tempos a tempos dou de caras com actos de profunda dignidade e regresso aos valores fundamentais dos emblemas, entretanto transfigurados em “marcas” e, nalguns casos, sociedades cotadas em bolsa.

Ler mais

27 de Janeiro, dia Internacional em memória das vítimas do nazi-fascismo

Em “A indústria do Holocausto” (cuja tradução para português se encontra disponível no catálogo da Antígona), Norman Finkelstein, judeu e filho de sobreviventes do tristemente célebre Gueto de Varsóvia, denuncia a forma como a elite sionista se apoderou do holocausto nazi e o transformou no Holocausto Judaíco (o “Shoah”)* em benefício dos seus interesses e em prejuízo da memória de todas as vítimas da política genocida do III Reich alemão contra diferentes grupos étnicos, religiosos e políticos. Neste dia 27 de Janeiro de 2017, quando passam 72 anos sobre a entrada do Exército Vermelho no complexo de trabalho escravo e extermínio de Auschwitz-Birkenau, opto por lembrar todos os seres humanos directa e indirectamente vitimados pelo holocausto nazi-fascista, juntando a minha voz à de Finkelstein. O Holocausto nazi não perseguiu e assassinou apenas judeus; e por isso, isolar os judeus de todos os restantes grupos étnicos, políticos, religiosos e sociais não é apenas desonesto: é uma certa forma de segregação desprovida de sentido, a não ser para aqueles que vêem no Holocausto um pretexto para a justificação de políticas de ocupação, agressão e segregação no Médio Oriente. Não, o nazi-fascismo não vitimou “apenas” seis milhões de seres humanos, nem perseguiu apenas judeus dispersos pela Europa. Lembrar apenas uns em detrimento de outros é uma certa forma de esquecimento, indesculpável no Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

Ler mais