Todos os artigos: Internacional

De Moria a Lisboa: o Bloco de Esquerda, Marisa Matias e a grande mentira

Há coisas que nos passam pelos olhos que das duas uma:

Ou são mentiras deliberadas e quem as conta não se importa de as contar ou quem as escreve pensa que somos todos uma cambada de acéfalos.

Que o tema dos refugiados é um tema sobre o qual as personalidades gostam de discorrer, muitas vezes puxando o pé para a caridadezinha porque coitadinhos temos que os ajudar, já todos estamos mais do que habituados.

Ler mais

Românticos

“A cidade vive uma das suas noites de Inverno, sem suspeitar do drama que vai rebentar: e não só Moscovo, mas Paris, Nova Iorque, e Istambul, e Singapura, e Pequim, todas as cidades do mundo inteiro o ignoram ainda. Todas continuam a viver a sua vida, umas em plena luz, outras ainda no alvorecer, e noutras sente-se já o calor do meio-dia, todas com as suas preocupações, as suas alegrias, as suas esperanças, os seus desgostos, os seus automóveis, os seus fiacres e os seus riquexós, e as suas fábricas e as suas lojas e as suas casas de pedra ou de madeira, e todas essas pessoas que vão para o trabalho ou que voltam para casa, ou passeiam, ou estão sentadas nos cafés, ou se beijam nos parques ou enchem os cinemas, e os que nascem, e os que morrem. Salvo algumas pessoas na Terra, ninguém ainda sabe a notícia que vai abalar o mundo. Ler mais

“Deixai que o verme se junte aos vermes”

Prometi a mim mesmo não mais manifestar publicamente o meu regozijo pela morte de alguém cuja existência desprezei e a memória desprezo de igual forma. Trata-se de um princípio que tenciono manter, por várias razões de entre as quais destaco uma muito pessoal: creio que isso não faz de mim uma pessoa melhor, nem tão pouco penso que seja uma forma de acrescentar algo de positivo a mundo tão profundamente marcado pelo sofrimento, o ódio e a violência. Ler mais

Não há tom suficientemente escuro para contar esta página da História

Em 10 de Maio de 1941, logo após a entrada em Zagreb das tropas nazis de Hitler, nasce o NDH(Nezavisna Drzava Hrvatska), o Estado Independente da Croácia, liderado por Ante Pavelic. Este Estado que englobava a totalidade da actual Bósnia-Herzegovina e praticamente toda a actual Croácia, seria tutelado a Norte pela Alemanha nazi e a Sul pela Itália fascista. Obedecendo politicamente, tal como na Alemanha nazi, ao princípio de um Fuhrer, sendo este por sua vez subordinado ao próprio Adolf Hitler. Ler mais

Kim Jong-un ordena mais repressão

Na Coreia do Norte, o ditador Kim Jong-un anunciou a proibição de uma manifestação convocada para amanhã em defesa dos direitos humanos. Segundo fontes do regime, a manifestação proibida tinha sido planeada por uma associação ilegalizada há meses e considerada “terrorista”, libelo com que a ditadura da família Kim carimba a dissidência. Ler mais

70 anos dos irmãos Cervi

Foi num 28 de Dezembro, em 1943, que o nazi-fascismo fuzilou os sete irmãos Cervi. Gelindo, Antenor, Aldo, Ferdinand, Agostinho, Ovidio e Hector, filhos de Alcide Cervi e Genoeffa Cocconi. A sua História constitui um notável momento de resistência, heroísmo e sacrifício. Uma família que se entregou completamente, dando tudo de si. Os sete irmãos e o seu pai constituíram um grupo de partizans de alcunha “Banda Cervi” que manteve uma intensa actividade militar na região italiana de Reggio Emilia, fazendo simultaneamente de sua casa um importante ponto de abrigo para todos os resistentes que precisavam de apoio, desde fugitivos a soldados soviéticos. Ler mais

1914, 100 anos depois.

2014 marcará 100 anos sobre o início da grande carnificina imperialista que foi a guerra 1914-1918, uma disputa bélica entre blocos imperiais que conduziu a Europa a uma destruição sem precedentes e vitimou milhões de seres humanos de muitas proveniências e nacionalidades, incluindo dos territórios que eram então colónias das potências em conflito. Muita água passou debaixo da ponte entre 1914 e 2014. Muitas foram as alterações e revoluções feitas e desfeitas, construídas e destruídas, impulsionadas e traídas. É assim a história da humanidade, feita de avanços e recúos, numa lógica não linear que a tanta gente custa compreender. Ler mais

Sr. Kennedy, não deixe os russos bombardearem o Pólo Norte por causa do pai natal

Por motivos que desconheço, a televisão portuguesa, durante dois dias, noticiou ininterruptamente uma carta não ao pai natal, mas ao presidente Kennedy. Dos anos 60, portanto. Não tive conhecimento de qualquer ataque bombista na Lapónia, de aumento de tensões entre Rússia e EUA, da morte de mais um Kennedy, nada. Gratuitamente esta notícia importantíssima passou em vários canais. A única ligação remota que lhe encontrei foi o facto de um dos petiscos finlandeses mais conhecidos ser com carne de rena. Nada mais. Ler mais